Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    -1,85 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.799,00
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    16.856,53
    -138,71 (-0,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.498,75
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4673
    -0,0114 (-0,21%)
     

BCE deve continuar subindo juros acima do patamar de 2%, diz chefe do BC francês

Por Daniel Leussink

TÓQUIO (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) provavelmente continuará subindo as taxas de juros acima do patamar de 2%, mas aumentos "colossais" não se tornarão novo hábito, disse o chefe do banco central da França em Tóquio, enquanto também pedia uma regulamentação internacional de criptoativos.

O BCE tem aumentado os juros no ritmo mais rápido já registrado, elevando-os em um acumulado de 200 pontos-base, a 1,5%, em apenas três meses. Apesar do ritmo acelerado, os mercados ainda esperam que o banco suba ainda mais os juros para domar a ampla e acentuada inflação.

"Estamos claramente nos aproximando do que eu chamaria de 'faixa de normalização', que pode ser estimada em cerca de 2%. Devemos atingir esse nível até dezembro", disse o presidente do banco central francês, François Villeroy de Galhau, durante um discurso em uma conferência financeira na capital japonesa nesta terça-feira.

"Acima desse patamar, provavelmente continuaremos subindo os juros, mas podemos fazê-lo de maneira mais flexível e possivelmente menos rápida. Aumentos colossais dos juros não se tornarão um novo hábito."

Os sinais de que a inflação está chegando a um pico nos Estados Unidos são "boas notícias" para todos, disse ele, uma vez que a maior economia do mundo tem estado à frente no ciclo global de inflação.