Mercado fechado
  • BOVESPA

    125.052,78
    -1.093,88 (-0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.268,45
    +27,94 (+0,06%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,17
    +0,26 (+0,36%)
     
  • OURO

    1.802,10
    -3,30 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    33.855,36
    +1.537,41 (+4,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    786,33
    -7,40 (-0,93%)
     
  • S&P500

    4.411,79
    +44,31 (+1,01%)
     
  • DOW JONES

    35.061,55
    +238,20 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.027,58
    +59,28 (+0,85%)
     
  • HANG SENG

    27.321,98
    -401,86 (-1,45%)
     
  • NIKKEI

    27.548,00
    +159,80 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.091,25
    +162,75 (+1,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1216
    +0,0014 (+0,02%)
     

BCE debateu redução da compra de títulos em reunião de junho, mostra ata

·1 minuto de leitura
Logo do BCE em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - As autoridades do Banco Central Europeu (BCE) debateram um corte no volume de compra de títulos na reunião de 10 de junho, antes de concordarem em manter o nível elevado de estímulo, mostrou a ata do encontro nesta sexta-feira.

Enfrentando o aumento dos custos dos empréstimos em meio a uma recuperação ainda incipiente, as autoridades do BCE pareciam preocupadas que um afastamento antecipado do mercado pudesse elevar os rendimentos e sufocar o crescimento econômico, já que alguns setores importantes ainda não estão firmes o suficiente, mesmo que o crescimento esteja agora relativamente rápido.

"Em vista das melhores perspectivas para o crescimento e a inflação, e os riscos altistas associados, foi, no entanto, argumentado que, para fornecer o mesmo grau de acomodação, as compras de ativos deveriam ser reduzidas um pouco", disse o BCE.

Em última análise, no entanto, as condições de financiamento foram avaliadas como "muito frágeis" para permitir uma redução significativa no ritmo de compras sem o risco de um aumento desordenado nos rendimentos, acrescentou o BCE.

Mas os comentários da reunião de junho podem não fornecer uma orientação firme sobre o próximo movimento de política monetária do banco central, uma vez que a nova estratégia, divulgada na quinta-feira, será provavelmente a principal orientação para as decisões já na reunião do BCE de 22 de julho.

A nova estratégia fixou a meta de inflação do banco em 2%, desistindo de sua formulação anterior de "abaixo, mas perto de 2%", e sinalizou que períodos de baixa inflação, como os vividos atualmente, poderão exigir ações de política monetária mais persistentes.

(Por Balazs Koranyi)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos