Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,51
    +0,50 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.799,50
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    16.872,41
    -219,46 (-1,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.515,00
    +5,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4687
    -0,0100 (-0,18%)
     

BCE continuará elevando juros mesmo com impacto econômico

Sede do BCE em Frankfurt, Alemanha

FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu continuará a aumentar os custos dos empréstimos mesmo com a economia da zona do euro sendo afetada porque deixar a inflação alta seria ainda mais doloroso, disseram duas autoridades do BCE nesta terça-feira.

O BCE vem elevando os juros em ritmo recorde e orientando os investidores para mais altas à frente para levar a inflação de dois dígitos na zona do euro de volta à sua meta de 2%.

O vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, e o presidente do banco central alemão, Joachim Nagel, disseram que isso envolve custos em termos de crescimento econômico.

"Farei o meu melhor para garantir que nós, o Conselho do BCE, não desistamos cedo demais e que continuemos avançando com a normalização da política monetária, mesmo que nossas medidas afetem o desenvolvimento econômico", disse Nagel, em uma conferência bancária alemã, acrescentando que grandes aumentos de juros são necessários.

"Porque em uma situação em que a política monetária fica atrás da curva, os custos econômicos em geral seriam significativamente maiores", disse Nagel.

De Guindos acrescentou que a política monetária do BCE “reduzirá a demanda agregada, tanto o consumo quanto o investimento, mas é o único caminho possível que temos porque não fazer nada seria muito pior”.

A economia da zona do euro deve encolher neste inverno devido a uma combinação de custos de energia mais altos, demanda global mais fraca e custos de empréstimos mais elevados.

(Reportagem de Francesco Canepa e Miranda Murray)