Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.466,99
    -52,40 (-0,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

BCE continuará elevando juros apesar do risco de recessão na zona do euro, diz De Guindos

Vice-presidente do BCE, Luis de Guindos

MADRI (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) continuará elevando os juros até reduzir a inflação para sua meta de médio prazo de 2%, mesmo que a economia da zona do euro esteja caminhando para a recessão, disse o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos, nesta quarta-feira.

De Guindos não deu detalhes sobre a magnitude do próximo aumento potencial de juros em dezembro, mas disse que dependerá das próximas projeções do BCE e das leituras de inflação em novembro.

"Posso dizer que nossa abordagem será sempre a mesma, continuaremos a elevar os juros a um nível que nos permita garantir que a inflação avance para nossa definição de estabilidade de preços", disse De Guindos em um evento financeiro em Madri.

O BCE elevou sua taxa de depósito bancário de -0,5% para 1,5% em três meses.

De Guindos disse que a inflação permanecerá em torno dos níveis atuais de cerca de 10% nos próximos meses, acrescentando que a persistência das pressões inflacionárias não deve ser subestimada.

"É muito importante observar a evolução da inflação subjacente e possíveis efeitos de segunda ordem porque eles determinarão a resposta da política monetária", disse De Guindos.

De Guindos disse esperar que o aumento dos preços desacelere no primeiro trimestre ou primeiro semestre do próximo ano, mas mesmo com um ambiente de inflação alta, 6% ou 7% em média, "também acreditamos que o núcleo da inflação será alto nos próximos meses".

Ele também disse que uma desaceleração ou recessão econômica por si só não reduzirá o alto nível de inflação.

"É muito possível que no quarto trimestre e no primeiro trimestre do próximo ano tenhamos taxas de crescimento negativas", disse De Guindos.

(Reportagem de Jesús Aguado e Emma Pinedo)