Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,82 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,44 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,44
    +0,68 (+0,81%)
     
  • OURO

    1.798,00
    +1,70 (+0,09%)
     
  • BTC-USD

    62.019,33
    +1.036,05 (+1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,70 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,92 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.161,24
    +34,31 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    28.600,41
    -204,44 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    15.376,75
    +35,75 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    0,0000 (0,00%)
     

BC russo diz que aumento dos juros fará inflação voltar para perto da meta de 4%

·1 minuto de leitura

MOSCOU (Reuters) - A atual política monetária do banco central russo levará a inflação de volta para perto de sua meta de 4% no segundo semestre de 2022, disse a presidente da autoridade monetária, Elvira Nabiullina, nesta quarta-feira, acrescentando que é importante não permitir a perda do controle sobre a alta dos preços ao consumidor.

O banco central aumentou sua taxa básica cinco vezes este ano, mais recentemente em 25 pontos-base neste mês, para 6,75%, à medida que tenta conter o crescimento dos preços.

A inflação atingiu 6,84% ao ano em meados de setembro e os riscos inflacionários aumentaram na terça-feira, depois que autoridades disseram que a Rússia gastará cerca de 2,5 trilhões de rublos (34 bilhões de dólares) de seu Fundo Nacional de Riqueza nos próximos três anos para ajudar a retomar o crescimento econômico pós-pandemia.

"Levando em conta a política monetária em andamento, a inflação retornará ao nível de 4%-4,5% no segundo semestre do próximo ano", disse Nabiullina em um discurso no Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento.

"A inflação já acelerou para dois dígitos em alguns países em desenvolvimento e ainda não está desacelerando, porque os ajustes na taxa básica estão atrasados ​​em relação ao crescimento das expectativas de inflação", afirmou Nabiullina.

“Precisamos reduzir a inflação e as expectativas de inflação o mais rápido possível, sem permitir que uma espiral inflacionária se desenrole”, acrescentou.

Nabiullina foi mais "hawkish" (dura com a inflação) na semana passada, quando disse que o banco central iria considerar novos aumentos na taxa de juros em suas próximas reuniões.

(Reportagem de Elena Fabrichnaya)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos