Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    62.184,10
    +2.635,29 (+4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

BC provocou ‘deuses do câmbio e da inflação’, diz Parnes, da SPX

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Banco Central tomou muito risco ao levar a taxa básica de juros ao patamar de 2% e agora está tendo que corrigir a inflação, adotando uma postura mais incisiva na condução da política monetária, de acordo com Beny Parnes, sócio da SPX Capital.

Most Read from Bloomberg

“O BC provocou os deuses do câmbio e da inflação -- que são deuses muito vingativos -- e deu azar com a seca e o choque de alimentos”, disse Parnes, que é ex-diretor do Banco Central, em entrevista.

A autoridade monetária subiu a taxa Selic para 6,25% na última quarta-feira e sinalizou uma terceira alta de 100 pontos-base para a reunião de outubro. Na sexta-feira, o IPCA-15 acumulado em 12 meses superou os 10% pela primeira vez desde 2016, levando a uma série de revisões nas projeções de inflação de bancos como JPMorgan, Barclays e Credit Suisse.

A SPX Capital, fundada em 2010 e uma das maiores gestoras independentes do Brasil, com cerca de R$ 56 bilhões sob gestão, já havia chamado atenção para a piora no quadro macroeconômico em sua última carta a clientes, em meio ao aumento das pressões inflacionárias e revisões baixistas para crescimento econômico.

Fim de festa no exterior?

Parnes vê uma piora no cenário externo, com a proximidade do início da redução de estímulos pelo Fed, o banco central dos Estados Unidos. “Não digo que a piscina vai secar de uma hora para a outra, mas vai começar a esvaziar”, disse. “O mercado vai ficar mais seletivo com a inflação aparecendo no mundo e os bancos centrais querendo sair da festa.”

Adicionalmente, a China deve seguir adotando medidas que trazem ruído na economia mundial, em meio a uma mudança em seu modelo de desenvolvimento, segundo Parnes. “Daqui para frente, a China não será mais fonte de boas notícias para o Ocidente.”

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos