Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.575,47
    +348,38 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.674,30
    -738,17 (-1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,53
    -0,18 (-0,39%)
     
  • OURO

    1.781,90
    -23,60 (-1,31%)
     
  • BTC-USD

    17.007,44
    +282,64 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    333,27
    -4,23 (-1,25%)
     
  • S&P500

    3.638,35
    +8,70 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    29.910,37
    +37,90 (+0,13%)
     
  • FTSE

    6.367,58
    +4,65 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    26.894,68
    +75,23 (+0,28%)
     
  • NIKKEI

    26.644,71
    +107,40 (+0,40%)
     
  • NASDAQ

    12.257,50
    +105,25 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3746
    +0,0347 (+0,55%)
     

BC propõe norma que facilita envio de recursos para o exterior

LARISSA GARCIA
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Banco Central colocou nesta quinta-feira (12) em consulta pública uma norma que facilita o envio de dinheiro para fora do país. A nova regra abre caminho para que todos possam mandar recursos para outros países por meios digitais, por exemplo, com custo reduzido. Pelas regras atuais, é preciso fazer um contrato de câmbio individual, muitas vezes presencialmente. Ao colocar a norma em consulta, o BC tenta acelerar a implementação de mudanças previstas em projeto de lei que tramita no Congresso, conhecido como PL Cambial, que moderniza a regulação do mercado de câmbio. A norma da autoridade monetária só poderá ser publicada e implementada depois que a proposta for aprovada e sancionada pelo presidente da República. A Folha mostrou que mesmo com a resistência da oposição, o governo tenta votar o projeto na Câmara até o fim do ano. "A mudança propõe que o modelo de remessas seja feito de forma semelhante ao cartão de crédito. Para compras internacionais, o banco não precisa fazer contrato individualizado de câmbio, ele pode fazer de maneira agregada [com vários clientes ao mesmo tempo]", explicou o técnico do BC, Lúcio Hellery. Com a medida, as instituições financeiras poderão oferecer o serviço pela internet ou pelo celular, por exemplo. "O modelo reduz custos, que antes ficavam integralmente com o cliente", disse. O envio ficaria limitado a US$ 10.000 por operação. Segundo o BC, a mudança não facilita o envio ilegal de recursos ao exterior. "Mesmo facilitando o envio, o banco ainda precisa levantar as informações sobre aquela transação, como quem está enviando, para quem e qual é a origem do dinheiro", afirmou Hellery. A nova norma também pretende permitir que instituições de pagamento atuem no mercado de câmbio. Atualmente, apenas bancos e corretoras podem fazer operações com moeda estrangeira. De acordo com o edital, essas instituições também poderão pedir autorização ao BC para ingressarem no segmento. Assim, não residentes -estrangeiros ou brasileiros que moram fora- poderão ter contas pré-pagas em reais em instituições de pagamentos brasileiras autorizadas. Por meio da consulta pública, o mercado e outros interessados poderão enviar sugestões à autoridade monetária até 29 de janeiro do próximo ano. Depois dessa etapa, o BC analisará as propostas e publicará a nova regra. A autoridade monetária disse que o objetivo é o "aperfeiçoamento da regulamentação cambial considerando as inovações tecnológicas e os novos modelos de negócio relacionados a pagamentos e transferências internacionais". "A proposta busca ampliar a competição no segmento de transferências pessoais (remittances), proporcionar melhores serviços e facilitar a realização dessas operações", ressaltou o BC.