Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.047,15
    +489,48 (+0,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.864,08
    -54,20 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,66
    +0,61 (+0,85%)
     
  • OURO

    1.785,20
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    50.579,58
    -326,82 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.319,69
    +14,58 (+1,12%)
     
  • S&P500

    4.693,97
    +7,22 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    35.680,04
    -39,39 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.860,62
    +405,02 (+1,42%)
     
  • NASDAQ

    16.370,00
    +52,00 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2823
    -0,0574 (-0,91%)
     

BC prevê bureau de crédito rural sustentável até junho de 2022

·2 min de leitura
Banco Central em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central prevê a implementação de um bureau de crédito rural sustentável até junho do ano que vem, prazo mais curto que o divulgado anteriormente, conforme apontamentos da diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​ da autarquia, Fernanda Guardado, divulgados por ocasião da sua participação na COP26.

Segundo os apontamentos, que foram divulgados pela assessoria de imprensa do BC, a criação do bureau verde é considerada uma das principais ações em progresso no âmbito da agenda de sustentabilidade da autarquia.

Considerada sensível para o setor agropecuário, a criação do bureau verde havia sido indicada pela diretora para dezembro de 2022, em evento público ocorrido há menos de 15 dias.

Guardado participa do "Finance Day Presidency Event: A Financial System for Net Zero" da COP26, em Glasgow, no Reino Unido, no lugar do presidente do BC, Roberto Campos Neto, que não viajou para o compromisso após ter se machucado durante a prática de esportes.

"A medida (bureau verde) busca definir critérios de sustentabilidade aplicáveis às concessões de crédito rural, o que permitirá caracterizar as operações de crédito rural com adicionalidades sociais, ambientais e climáticas", traz o documento.

"O bureau verde será uma ferramenta de gestão de risco por parte das instituições financeiras, melhorando a precificação de ativos e o acesso a novas fontes de recursos, sob um arcabouço de open finance", complementou.

Guardado também sinalizou, de acordo com os apontamentos, que o BC vai exigir primeiro informações qualitativas das instituições financeiras sobre riscos ESG, referentes a aspectos ambientais, sociais e de governança, mas num segundo momento ampliará esse escopo para informações quantitativas.

Isso porque o BC entende que o desenvolvimento de uma agenda de sustentabilidade requer tempo e, por isso, precisa de um cronograma gradual para uma implementação viável.

Em setembro, o BC anunciou novas regras que obrigam os bancos a incorporar riscos relacionados a mudanças climáticas, como secas, inundações e incêndios, a seus testes de estresse a partir de julho de 2022.

A autarquia também tornou obrigatório às instituições financeiras divulgar informações relacionadas ao clima como parte de seus relatórios financeiros, o que está em linha com recomendações da força tarefa do Conselho de Estabilidade Financeira do G20 que trata do tema (TCFD na sigla em inglês).

(Por Marcela Ayres)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos