Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.539,83
    +1.882,18 (+1,91%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.201,81
    +546,36 (+1,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    41,51
    +0,05 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.912,90
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    11.950,60
    +893,59 (+8,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    239,54
    +0,62 (+0,26%)
     
  • S&P500

    3.443,12
    +16,20 (+0,47%)
     
  • DOW JONES

    28.308,79
    +113,37 (+0,40%)
     
  • FTSE

    5.889,22
    +4,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.569,54
    +27,28 (+0,11%)
     
  • NIKKEI

    23.567,04
    -104,09 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    11.673,00
    +12,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6264
    +0,0275 (+0,42%)
     

BC não barrou pagamentos pelo Whatsapp para proteger Pix, diz diretor

LARISSA GARCIA
·1 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  15-02-2018 - O secretário de Produtividade e Advocacia da Concorrência do Ministério da Fazenda, João Manoel Pinho de Mello, posa para foto em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 15-02-2018 - O secretário de Produtividade e Advocacia da Concorrência do Ministério da Fazenda, João Manoel Pinho de Mello, posa para foto em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O diretor de organização do sistema financeiro do Banco Central, João Manoel Pinho de Mello, afirmou, nesta quinta-feira (17), que a decisão do BC de suspender o serviço de pagamentos do Whatsapp, lançado em junho e barrado pelo regulador em seguida, não teve o objetivo de proteger o Pix ou os grandes bancos.

O Pix é o sistema de pagamentos instantâneos da autoridade monetária, que será lançado em 16 de novembro.

Ele ressaltou, em evento promovido pelo BTG Pactual em parceria com a PUC-RJ, que o BC se preocupa com a concorrência.

"A medida cautelar do BC à solução de pagamentos do Whatsapp não foi para proteger o Pix ou os grandes bancos, mas para proteger a competição", declarou Pinho de Mello.

"As bigtechs [grandes empresas de tecnologia] têm que entrar, mas existem desafios regulatórios. São bem-vindas as entradas pró-competitivas, mas temos garantir que são realmente pró-competitivas, essa foi a lógica da cautelar, não é impedir ou proteger ninguém", alegou.

O diretor declarou, em referência à chegada do Pix, que o sistema de pagamentos brasileiro é eficiente, mas pode ser mais.

"A indústria de cartões tem um papel importantíssimo, mas o que vamos fazer é dar mais uma opção. Basicamente todas as contas transacionais estão lá, está todo mundo capturado", disse.

Segundo o diretor, apesar da concorrência com a indústria de cartões, o sistema vai permanecer em funcionamento. "Vai aumentar a eficiência, os atores atuais são competentes, vão conseguir operar. O tamanho do bolo vai aumentar e vai ser melhor pra todo mundo", afirmou.