Mercado fechará em 4 h 18 min
  • BOVESPA

    108.509,69
    +1.130,77 (+1,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.267,20
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,95
    +0,89 (+2,07%)
     
  • OURO

    1.802,30
    -35,50 (-1,93%)
     
  • BTC-USD

    19.196,88
    +744,91 (+4,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,37
    +9,62 (+2,60%)
     
  • S&P500

    3.600,06
    +22,47 (+0,63%)
     
  • DOW JONES

    29.909,28
    +318,01 (+1,07%)
     
  • FTSE

    6.416,91
    +83,07 (+1,31%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    11.942,50
    +37,25 (+0,31%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3892
    -0,0511 (-0,79%)
     

BC mantém Selic em 2% e não fecha porta para eventual corte nos juros

Por Marcela Ayres
·5 minuto de leitura
.
.

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central manteve nesta quarta-feira a Selic na mínima histórica de 2% ao ano, conforme ampla expectativa do mercado e, apesar de reconhecer uma pressão inflacionária mais forte no curto prazo, manteve sua mensagem de orientação futura (forward guidance) e a porta aberta para eventual corte nos juros básicos à frente.

Parte dos agentes de mercado esperava um endurecimento na postura da autarquia após a escalada dos temores fiscais desde a última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), em 16 e 17 de setembro. O BC, contudo, não fez nenhuma menção mais concreta ao tema.

O Banco Central também frisou que as projeções e expectativas de inflação seguem "significativamente" abaixo da meta para o horizonte relevante.

No seu comunicado, o BC repetiu a avaliação de que a conjuntura econômica continua a prescrever estímulo monetário extraordinariamente elevado, mas que "devido a questões prudenciais e de estabilidade financeira, o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno".

Por outro lado, o BC excluiu da sua comunicação frase que vinha logo a seguir, quando explicitava que novas reduções na Selic ocorreriam com "gradualismo adicional", dependendo tanto da percepção sobre a trajetória das contas públicas, como sobre a inflação prospectiva.

A mensagem do BC sobre o 'forward guidance' para a política monetária não sofreu alteração relevante.

Desde agosto, o BC vem explicitando que não pretende elevar a Selic a menos que as projeções e expectativas de inflação fiquem suficientemente próximas da meta. Para que essa orientação siga de pé, o Copom afirma que é necessário que o regime fiscal seja também mantido, numa referência indireta à regra do teto de gastos.

Nesta quarta-feira, o BC afirmou que essas condições seguem satisfeitas e que considera adequado o atual nível de estímulo monetário que vem sendo produzido pela manutenção da Selic no nível atual e pelo forward guidance.

"As expectativas de inflação, assim como as projeções de inflação de seu cenário básico, encontram-se significativamente abaixo da meta de inflação para o horizonte relevante de política monetária; o regime fiscal não foi alterado; e as expectativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas", frisou.

Em pesquisa Reuters, todos os 31 economistas haviam previsto que o Copom manteria a taxa Selic em 2% pela segunda reunião consecutiva, após uma trajetória de flexibilização iniciada no ano passado, antes mesmo do choque provocado pelo surto de Covid-19.

As atenções dos agentes se voltavam para qual sinal seria passado pela autoridade monetária após as preocupações com a trajetória das contas públicas terem crescido expressivamente, na esteira da indefinição do governo sobre a criação e financiamento de um novo programa de transferência de renda em 2021 após o fim do auxílio emergencial em dezembro.

Desde a última reunião do Copom, o comportamento da inflação também levantou temores de uma alta mais disseminada dos preços.

"A maior surpresa do comunicado foi ele (BC) ter mantido a visão muito similar à que tinha em setembro, mesmo com mudanças, na minha visão, bastante significativas na conjuntura econômica", disse o economista da Eleven Financial Research Thomaz Sarquis.

Sarquis espera que a Selic fique novamente inalterada na próxima e última reunião do Copom no ano, em 8 e 9 de dezembro, "mas com uma abordagem um pouco mais conservadora diante dos riscos inflacionários".

Para o economista-chefe da Guide Investimentos, João Maurício Rosal, o que surpreendeu no comunicado foi que o forward guidance seguiu praticamente inalterado.

"O mercado esperava certos ajustes quanto a esses determinantes que pudessem sinalizar, pelo menos, fechar a porta para cortes adicionais", pontuou.

O economista-chefe do Fator, José Francisco Gonçalves, avaliou, em nota, que enquanto a inflação esperada estiver ancorada, o sinal do Copom não muda.

"Ao longo dos últimos dias a curva de juros perdeu inclinação, tanto pela alta dos mais curtos, quanto pela queda dos mais longos. Claro sinal de expectativa de alta da Selic e consolidação do cenário fiscal antevisto hoje", escreveu.

"O mercado deve reagir com mais inclinação da curva, embora o comportamento do câmbio seja decisivo amanhã", acrescentou Gonçalves.

SURPRESAS INFLACIONÁRIAS

Em relação ao avanço de preços na economia, o BC afirmou agora que as medidas de inflação subjacente (núcleos de inflação) estão em níveis compatíveis com o cumprimento da meta no horizonte relevante para a política monetária, que inclui os anos de 2021 e 2022, e não mais abaixo desses patamares.

Em outra frente, o BC reconheceu surpresas inflacionárias.

"As últimas leituras de inflação foram acima do esperado, e o Comitê elevou sua projeção para os meses restantes de 2020. Contribuem para essa revisão a continuidade da alta nos preços dos alimentos e de bens industriais, consequência da depreciação persistente do real, da elevação de preço das commodities e dos programas de transferência de renda", disse o BC.

"Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que esse choque é temporário, mas monitora sua evolução com atenção", completou.

Até então, o BC vinha reiterando tranquilidade com relação ao IPCA apesar de admitir que haveria pressão no curto prazo por fatores como elevação em alimentos e reversão da queda nos preços de serviços, embalada pelo aumento nos índices de mobilidade.

O IPCA-15, considerado uma prévia da inflação oficial, subiu 0,94% em outubro, maior salto para o mês desde 1995, acumulando em 12 meses avanço de 3,52%.

O BC atualizou seus cálculos para a inflação a um IPCA de 3,1% em 2020, 3,1% em 2021 e 3,3% em 2022, abaixo portanto das metas de 4%, 3,75% e 3,5%, respectivamente, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

As projeções consideraram, pela primeira vez, o novo cenário básico da autarquia, com taxa Selic da pesquisa Focus e taxa de câmbio seguindo trajetória de acordo com a teoria da paridade do poder de compra (PPC). No fim de setembro, o BC havia adiantado em seu Relatório Trimestral de Inflação que passaria a considerar essas premissas.

Em comparação, economistas ouvidos no mais recente boletim Focus previram inflação de 2,99% este ano, 3,10% no próximo e 3,5% em 2022.

(Com reportagem adicional de Gabriel Ponte)