Mercado abrirá em 8 h 28 min
  • BOVESPA

    118.811,74
    +1.141,74 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.352,18
    -275,52 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,99
    +0,29 (+0,49%)
     
  • OURO

    1.731,20
    -1,50 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    60.431,70
    +433,45 (+0,72%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.291,69
    -2,89 (-0,22%)
     
  • S&P500

    4.127,99
    -0,81 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    33.745,40
    -55,20 (-0,16%)
     
  • FTSE

    6.889,12
    -26,63 (-0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.727,53
    +274,25 (+0,96%)
     
  • NIKKEI

    29.839,23
    +300,50 (+1,02%)
     
  • NASDAQ

    13.803,00
    -5,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8192
    -0,0113 (-0,17%)
     

BC do México diz que estímulo dos EUA vai impulsionar economia e criar desafios no mercado

Anthony Esposito e Abraham Gonzalez
·1 minuto de leitura
Presidente do BC do México, Alejandro Díaz de León

Por Anthony Esposito e Abraham Gonzalez

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O pacote de estímulo de 1,9 trilhão de dólares do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ajudará a impulsionar a economia e as exportações do México, mas também criará desafios para o mercado financeiro nas economias emergentes, disse Alejandro Díaz de León, presidente do banco central mexicano.

A diretoria de cinco membros do Banco do México analisará em sua próxima reunião de política monetária o impacto do recente salto nos rendimentos dos Treasuries, disse Díaz de León à Reuters em entrevista.

A economia do México está intimamente ligada aos Estados Unidos, seu principal parceiro comercial.

"Praticamente vimos taxas de juros pressionadas para cima em todos os lugares, especialmente nas economias emergentes, e com algum ajuste na taxa de câmbio por conta desse reajuste nas carteiras", disse Díaz de León.

A inflação anual mexicana acelerou para seu nível mais alto em quatro meses em fevereiro, superando as expectativas, devido a um aumento nos custos de energia, mas permanecendo dentro do intervalo da meta do banco central.

Na próxima reunião de política monetária do banco, em 25 de março, "iremos incorporar as informações mais recentes, o comportamento" do aumento da inflação, disse seu presidente.