Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,16
    +1,01 (+1,26%)
     
  • OURO

    1.930,10
    -12,50 (-0,64%)
     
  • BTC-USD

    23.085,44
    -526,02 (-2,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    523,89
    -3,30 (-0,63%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    +16,24 (+0,21%)
     
  • HANG SENG

    22.566,78
    +522,13 (+2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.362,75
    -32,26 (-0,12%)
     
  • NASDAQ

    12.060,50
    +187,25 (+1,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5216
    -0,0172 (-0,31%)
     

BC do Japão revisará efeitos colaterais de afrouxamento monetário em próxima reunião, diz jornal

Empresário passa pelo prédio do Banco do Japão (BOJ) em Tóquio

TÓQUIO (Reuters) - O Banco do Japão revisará os efeitos colaterais de seu afrouxamento monetário na reunião da próxima semana e pode tomar medidas adicionais para corrigir distorções na curva de rendimentos, informou o jornal Yomiuri nesta quinta-feira.

O banco central japonês surpreendeu os mercados no mês passado ao ampliar a faixa que o rendimento dos títulos de 10 anos pode se mover para 0,50 ponto percentual, ante o limite anterior de 0,25 p.p.

Mas a medida não conseguiu resolver as distorções causadas no mercado de títulos pela forte compra de títulos realizada pelo banco, aumentando a especulação do mercado, dizem os analistas. O banco central tomará medidas adicionais já em sua reunião de política monetária na próxima semana.

No encontro da próxima semana, a diretoria de nove membros do Banco do Japão debaterá os efeitos colaterais de sua política de controle da curva de rendimentos e os movimentos do mercado de títulos desde a decisão de dezembro, disse o Yomiuri.

A instituição também examinará se pode corrigir as distorções do mercado por meio de ajustes na quantidade de títulos que compra e fará ajustes adicionais se necessário, disse o jornal sem citar fontes.

(Reportagem de Chang-Ran Kim e Leika Kihara)