Mercado abrirá em 7 h 12 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,09
    -2,19 (-2,87%)
     
  • OURO

    1.750,90
    -3,10 (-0,18%)
     
  • BTC-USD

    16.199,11
    -380,89 (-2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,98
    -2,67 (-0,70%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.225,41
    -348,17 (-1,98%)
     
  • NIKKEI

    28.130,55
    -152,48 (-0,54%)
     
  • NASDAQ

    11.687,25
    -95,50 (-0,81%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6077
    -0,0167 (-0,30%)
     

BC do Japão discutiu riscos de inflação em mudança sutil no debate

Sede do BC do Japão em Tóquio

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - Os aumentos dos preços no Japão levou algumas autoridades do banco central do país a alertar no mês passado que a inflação pode superar as expectativas, destacando o desafio que o presidente da instituição, Haruhiko Kuroda, enfrenta ao justificar juros ultrabaixos.

Um membro da diretoria chegou a dizer que o Banco do Japão precisa comunicar uma estratégia de saída da política monetária ultraflexível, mostrou um resumo das opiniões na reunião de setembro.

Embora muitas opiniões tenham pedido a necessidade de manter a política monetária ultrafrouxa para apoiar a economia frágil, os comentários destacam uma mudança gradual no equilíbrio da diretoria do banco, antes dominada por defensores da flexibilização agressiva.

"Existe o risco de que a inflação ao consumidor se desvie significativamente do nosso cenário de referência, em parte devido ao impacto dos movimentos da taxa de câmbio. Isso precisa ser examinado com humildade e sem preconceitos", disse um membro da diretoria no resumo, divulgado nesta segunda-feira.

Na reunião de 21 a 22 de setembro, o banco central manteve a taxa de juros ultrabaixa e sua orientação de manter a política monetária ultrafrouxa até que a inflação atinja de forma estável sua meta de 2%.

O Banco do Japão continua a ser uma exceção entre uma onda global de bancos centrais que apertam a política monetária para combater a inflação crescente, que levou o iene a mínimas de 24 anos em relação ao dólar.

(Reportagem de Leika Kihara)