Mercado fechará em 4 h 52 min
  • BOVESPA

    109.754,69
    +353,28 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.799,46
    -434,91 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,85
    -1,08 (-1,40%)
     
  • OURO

    1.790,60
    +9,30 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    16.993,03
    -242,92 (-1,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,77
    -10,45 (-2,54%)
     
  • S&P500

    3.998,84
    -72,86 (-1,79%)
     
  • DOW JONES

    33.947,10
    -482,78 (-1,40%)
     
  • FTSE

    7.526,50
    -41,04 (-0,54%)
     
  • HANG SENG

    19.441,18
    -77,11 (-0,40%)
     
  • NIKKEI

    27.885,87
    +65,47 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    11.818,25
    +12,50 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5166
    -0,0168 (-0,30%)
     

BC do Japão debateu impacto de saída futura da política monetária frouxa em meio à inflação alta

Sede do BC do Japão em Tóquio

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - Autoridades do Banco do Japão debateram no mês passado a necessidade de examinar os efeitos colaterais do afrouxamento monetário prolongado e o impacto de uma saída futura de sua abordagem de juros ultrabaixos, mostrou um resumo das opiniões nesta terça-feira.

O resumo sugere que algumas autoridades estão lentamente se tornando mais abertas à possibilidade de uma eventual retirada do estímulo monetário radical implementado pelo presidente do banco central, Haruhiko Kuroda, há quase uma década.

Muitos no conselho de nove membros enfatizaram a importância de sustentar a política ultrafrouxa por enquanto para garantir que os salários cresçam o suficiente para compensar as famílias pelo aumento do custo de vida, de acordo com o resumo da reunião de política monetária de outubro.

Mas alguns viram sinais de que a recente pressão inflacionária impulsionada pelos custos está se ampliando, com um alertando que um "grande excesso de inflação não pode ser descartado", segundo o resumo.

"É importante continuar a examinar como futuras estratégias de saída (de políticas ultrafrouxas) afetarão os mercados e se os participantes do mercado estarão bem preparados para elas", disse um membro.

Embora não haja necessidade de ajustar imediatamente a política monetária, o Banco do Japão deve prestar atenção aos efeitos colaterais do afrouxamento prolongado, de acordo com outra opinião citada no resumo.

As observações destacam a divergência emergente entre os apelos de Kuroda para manter a política monetária ultrafrouxa e as opiniões de alguns outros membros do conselho, que estão mais abertos à ideia de debater uma saída futura dos juros ultrabaixos.

O núcleo da inflação ao consumidor do Japão acelerou para uma nova máxima de oito anos de 3,0% em setembro, desafiando a determinação do banco central de manter sua postura política monetária ultrafrouxa, já que a queda do iene para mínimas de 32 anos eleva os custos de importação.

Na reunião de 27 a 28 de outubro, o banco central japonês manteve os juros ultrabaixos, consolidando seu status discrepante entre os bancos centrais globais que estão apertando a política monetária.

Mas o banco também elevou suas previsões de preços e agora projeta que a inflação ao consumidor atinja 1,6% para os anos fiscais de 2023 e 2024, depois de subir 2,9% no ano atual que termina em março de 2023.

(Reportagem de Leika Kihara)