Mercado abrirá em 1 h 52 min

BC do Japão analisou custo crescente de juros ultra baixos, diz ata

Por Leika Kihara

Por Leika Kihara

TÓQUIO(Reuters) - Alguns membros da diretoria do Banco do Japão disseram que o banco central deve trabalhar cuidadosamente com o governo para lidar com a próxima crise econômica, segundo ata da reunião do BC japonês de outubro divulgada nesta terça-feira.

O conselho de nove membros também debateu os deméritos da flexibilização monetária prolongada, com um alerta de que as seguradoras do ramo da vida poderiam ter dificuldades em cumprir provisões garantidas aos segurados se persistirem as atuais taxas de juros ultra-baixas, mostrou a ata.

As deliberações destacam a crescente visão dentro do Banco do Japão de que a política fiscal pode ter um papel maior na luta contra os riscos para a economia, dado o aumento do custo e a diminuição do retorno da flexibilização monetária.

"O BOJ deve se preparar para a próxima desaceleração econômica, entre os cenários de risco. Ao fazer isso, é importante não apenas tomar medidas de política monetária, mas também melhorar a cooperação com o governo", como por meio da política fiscal, segundo alguns membros do conselho na reunião de outubro, conforme a ata.

Na reunião de 30 a 31 de outubro, o BC japonês manteve a política monetária estável, mas sinalizou que pode cortar as taxas de juros no futuro próximo, enfatizando sua preocupação de que os riscos no exterior possam prejudicar uma recuperação econômica frágil.

Ele deixou configurações monetárias inalteradas em uma reunião subsequente em dezembro, quando uma trégua preliminar nas negociações comerciais EUA-China retirou alguma pressão do Banco do Japão para implantar estímulos imediatos.

Como a impressão maciça de dinheiro do BOJ mantém os custos dos empréstimos baixos, o governo compilou um pacote fiscal de 122 bilhões de dólares em 5 de dezembro para evitar o risco de outra recessão.

Anos de compra agressiva de ativos falharam em elevar a inflação para a meta de 2% da autoridade monetária, forçando-a a manter um estímulo elevado, apesar do impacto infligido nos lucros das instituições financeiras devido a taxas ultra baixas prolongadas.

O conselho de nove membros é dividido entre aqueles que veem espaço para elevar os estímulos para aumentar a inflação e aqueles que estão mais preocupados com os deméritos da política ultra frouxa do BC japonês.

"Embora a solidez das instituições financeiras esteja garantida no momento, os efeitos colaterais cumulativos de baixas taxas de juros prolongadas justificaram a vigilância", disseram alguns membros do conselho no encontro de outubro.

O Banco do Japão não divulga as identidades dos membros que fizeram os comentários na ata.