Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.165,18
    +956,21 (+1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

BC fará novo leilão de até US$1 bi em swaps cambiais na quinta-feira

·2 minuto de leitura
Sede do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central fará na quinta-feira nova oferta líquida de contratos de swap cambial tradicional, voltando a disponibilizar até 1 bilhão de dólares nesses derivativos.

O acolhimento das propostas ocorrerá entre 9h30 e 9h40. O lote de até 20 mil papéis será distribuído entre os vencimentos 1º de junho de 2021 e 1º de dezembro de 2021.

"O resultado desta oferta pública será divulgado após a apuração realizada pelo Banco Central do Brasil", disse o BC em comunicado divulgado no BC Correio.

O leilão previsto para quinta sucederá operação inesperada e com termos parecidos realizada nesta quarta, quando o BC ofertou também até 1 bilhão de dólares em swaps, com colocação integral.

O BC vem há algumas semanas alternando entre leilões de câmbio via swaps e dólar pronto. Na quarta, a autoridade monetária surpreendeu ao anunciar acolhimento de propostas para venda de moeda à vista, injetando no mercado 405 milhões de dólares.

Uma das teorias para explicar o maior ativismo do BC recentemente aponta que a instituição estaria mais preocupada com o risco de repasse cambial aos preços da economia, num cenário em que as expectativas de inflação de algumas casas já superam o centro da meta para 2021 e começam a colocar em xeque o objetivo para 2022.

Entre a recente mínima do dólar (de 5,4219 reais, de 24 de fevereiro) e a véspera --quando fechou em 5,7927 reais, máxima em cerca de dez meses--, a cotação saltou 6,84%. A divisa norte-americana ainda sobe 8,91% em 2021, o que deixa o real na lanterna entre 33 pares do dólar.

Impactado pelos leilões-surpresa desta quarta, o dólar spot caiu 2,39%, a 5,6542 reais na venda, maior baixa em seis semanas. O mercado acompanhou ainda o discurso do ex-presidente Lula, esperanças de manutenção do texto da PEC Emergencial e a aprovação final nos EUA de um pacote trilionário de estímulos.

(Por José de Castro)