Mercado abrirá em 9 h 38 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,64
    +0,25 (+0,67%)
     
  • OURO

    1.878,10
    -1,10 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    13.253,60
    +36,32 (+0,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    262,24
    -10,45 (-3,83%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.388,28
    -320,52 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    23.253,42
    -165,09 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.232,00
    +99,25 (+0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7387
    +0,0043 (+0,06%)
     

BC estima déficit em conta corrente a US$10,2 bi em 2020, vê rombo de US$16,7 bi em 2021

·1 minuto de leitura
Sede do Banco Central em Brasília
Sede do Banco Central em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central melhorou nesta quinta-feira sua estimativa para o déficit em transações correntes a 10,2 bilhões de dólares em 2020, contra rombo de 13,9 bilhões de dólares projetado em junho, ao mesmo tempo em que piorou a perspectiva para os Investimentos Diretos no País (IDP) a 50 bilhões de dólares, sobre 55 bilhões de dólares antes.

Em seu Relatório Trimestral de Inflação, o BC justificou que "o principal fator para a revisão é a melhora nos valores esperados para as exportações, que apresentaram nos últimos meses resultado acima do anteriormente projetado".

Para 2021, a perspectiva é de um rombo em transações correntes de 16,7 bilhões de dólares, com o IDP melhorando a 65,2 bilhões de dólares.

Para este ano, o BC reviu a estimativa para o superávit da balança comercial a 45,3 bilhões de dólares, frente a 39,0 bilhões de dólares antes, dado que embute uma queda de 11,1% nas exportações e de 16,2% nas importações em relação a 2019.

A corrente de comércio deve, com isso, apresentar um recuo de 13,4%, destacou a autoridade monetária.

(Por Marcela Ayres)