Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.789,33
    +556,59 (+0,51%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,03
    +900,05 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    113,79
    +1,39 (+1,24%)
     
  • OURO

    1.812,80
    -6,10 (-0,34%)
     
  • BTC-USD

    30.463,89
    +605,27 (+2,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    686,15
    +443,47 (+182,74%)
     
  • S&P500

    4.088,85
    +80,84 (+2,02%)
     
  • DOW JONES

    32.654,59
    +431,17 (+1,34%)
     
  • FTSE

    7.518,35
    +53,55 (+0,72%)
     
  • HANG SENG

    20.602,52
    +652,31 (+3,27%)
     
  • NIKKEI

    26.659,75
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    12.561,75
    +1,50 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2183
    +0,0079 (+0,15%)
     

BC sugere ao governo reajuste de 22% a servidores do órgão, depois diz que retirou proposta

Sede do Banco Central em Brasília

Por Bernardo Caram e Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central enviou ao governo uma proposta de medida provisória que prevê reajuste salarial de 22% para analistas e técnicos do órgão a partir de junho, segundo comunicado interno da autarquia encaminhado nesta quinta-feira e visto pela Reuters, mas depois informou ter retirado o documento do sistema por inconsistências no texto.

O pleito havia sido confirmado sob condição de anonimato por duas fontes que atuam no Tesouro Nacional e na Secretaria de Gestão do Ministério da Economia. A mensagem também foi recebida por membros do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal).

"O Banco Central detectou inconsistências no texto de minuta de medida provisória para a reestruturação das carreiras e a modernização da gestão de pessoas nesta autarquia. Por isso, fez sua retirada do Sistema de Geração e Tramitação de Documentos Oficiais do Governo Federal", disse a assessoria do órgão horas após o comunicado ter ido a público.

A mensagem interna afirmava que havia sido encaminhada formalmente por meio do sistema de geração e tramitação de documentos oficiais do governo uma proposta de MP “para o fortalecimento institucional do BC”.

Além do aumento de 22%, o texto previa reestruturação da carreira de especialista do BC, criação de uma “retribuição por produtividade institucional” e uma nova tabela salarial para funcionários celetistas.

O BC não deixou claro quais pontos do texto da medida provisória tinham inconsistências e se a proposta será reapresentada.

Os servidores do órgão estão mobilizados desde março para pressionar o governo por reajustes. A greve da categoria tem comprometido a divulgação de indicadores e serviços internos.

O envio da proposta pelo BC não significa que a demanda será atendida. Os pedidos são negociados com as áreas de gestão e de orçamento do Ministério da Economia.

Até o momento, o governo vem sinalizando um reajuste geral a todos os servidores federais de 5% a partir de julho. Além disso, restrição da legislação eleitoral impede que sejam concedidos aumentos de remuneração que superem a inflação dentro do ano corrente.

De acordo com a fonte do Tesouro, os pleitos de reajustes primeiramente são analisados pela área de gestão do Ministério da Economia. Depois é avaliada sua viabilidade orçamentária.

Uma fonte da área de gestão do governo, por sua vez, afirmou que a pasta recebe pedidos de todas as naturezas e grandezas. Segundo ele, “não há nenhuma possibilidade de atendimento” a esse reajuste que havia sido solicitado pelo BC.

“O que está em análise são outras demandas de caráter não remuneratório, como o nível de escolaridade para ingresso no cargo de técnico do BC, alteração na nomenclatura do cargo de analista e prerrogativas funcionais do cargo de procurador”, disse essa fonte sob condição de reserva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos