Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.044,48
    +1.002,00 (+0,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.327,24
    +422,18 (+1,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    43,05
    +0,63 (+1,49%)
     
  • OURO

    1.835,20
    -37,20 (-1,99%)
     
  • BTC-USD

    18.353,20
    -101,55 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    362,96
    +1,53 (+0,42%)
     
  • S&P500

    3.570,72
    +13,18 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    29.525,37
    +261,89 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.333,84
    -17,61 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    26.486,20
    +34,66 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    25.527,37
    -106,93 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.880,50
    -25,25 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4386
    +0,0587 (+0,92%)
     

BC endurece mensagem sobre impacto de piora fiscal em orientação futura para Selic

Por Marcela Ayres
·4 minuto de leitura
Prédio do Banco Central em Brasília
Prédio do Banco Central em Brasília

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central endureceu nesta terça-feira sua mensagem sobre o eventual espaço para cortar a taxa básica de juros, atualmente na mínima histórica de 2% ao ano, ao mesmo tempo em que frisou estar atento à piora do quadro fiscal e suas implicações para a política monetária, independentemente da manutenção nominal do regime do teto de gastos.

As sinalizações constam em ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira.

Na semana passada, quando o BC manteve a Selic no atual nível, parte significativa do mercado se frustrou com a comunicação adotada, interpretando que a autarquia, apesar de reconhecer uma pressão inflacionária mais forte no curto prazo, havia mantido sua orientação futura (forward guidance) e a porta aberta para eventual corte nos juros básicos à frente.

Sobre o forward guidance, o BC vem explicitando desde agosto que não pretende elevar a Selic a menos que as projeções e expectativas de inflação fiquem suficientemente próximas da meta. Para que essa orientação siga de pé, o Copom afirma que é necessário que o regime fiscal seja também mantido.

Nesta terça-feira, o BC reiterou que essas condições seguem satisfeitas, mas destacou que "alterações de política fiscal que afetem a trajetória da dívida pública ou comprometam a âncora fiscal motivariam uma reavaliação, mesmo que o teto dos gastos ainda esteja nominalmente mantido".

"Essa reavaliação seguiria o receituário do regime de metas para a inflação, sendo baseada na avaliação da inflação prospectiva e de seu balanço de riscos", acrescentou.

Em outra frente, o BC buscou explicar a manutenção, em sua comunicação da semana passada, da indicação de que “o espaço remanescente para utilização da política monetária, se houver, deve ser pequeno”.

A não retirada desse trecho foi vista por parte dos agentes como uma sinalização de porta ainda aberta para eventual corte na Selic, ainda que as condições inflacionárias e os temores fiscais tenham piorado da reunião anterior do Copom, em setembro, para cá.

Na ata, a autoridade monetária buscou esclarecer que a frase, na verdade, "está ligada às restrições de caráter prudencial para movimentos de redução da taxa básica de juros e, portanto, precisa ser mantida na comunicação".

O BC indicou ainda que a discussão sobre um potencial limite efetivo mínimo para a Selic foi retomada pelo Copom, sendo que a maioria dos membros do colegiado avalia que "já estaríamos próximos do nível a partir do qual reduções adicionais na taxa de juros poderiam ser acompanhadas de instabilidade nos preços de ativos".

O BC pontuou que, considerando o histórico da economia brasileira operando com a Selic em nível elevado, os juros baixos sem precedentes "podem comprometer o desempenho de alguns mercados e setores econômicos, com potencial impacto sobre a intermediação financeira".

ATIVIDADE E INFLAÇÃO

Sobre a recuperação econômica, o BC destacou que os dados recentes seguem sugerindo um movimento desigual, com retomada relativamente forte no consumo de bens duráveis e do investimento, mas fraqueza no setor de serviços. Aqui também o BC destacou preocupação com o cenário fiscal.

"Prospectivamente, a pouca previsibilidade associada à evolução da pandemia e ao necessário ajuste dos gastos públicos a partir de 2021 aumenta a incerteza sobre a continuidade da retomada da atividade econômica", afirmou.

"O Comitê ponderou que essa imprevisibilidade e os riscos associados à evolução da pandemia podem implicar um cenário doméstico caracterizado por uma retomada ainda mais gradual da economia", complementou.

Quanto à inflação, o BC reconheceu ter elevado sua projeção para o desempenho do IPCA nos últimos meses do ano, sob o impacto da continuidade da alta nos preços dos alimentos e de bens industriais, na esteira da valorização do dólar frente ao real, além da elevação de preço das commodities e dos programas de transferência de renda.

Na visão da autoridade monetária, deve haver normalização parcial de preços ainda deprimidos com o aumento na mobilidade e do nível de atividade. Por outro lado, o BC espera reversão da "elevação extraordinária" dos preços de alguns produtos, que atribuiu à "redução provisória na oferta em conjunção com um aumento ocasional na demanda".

"Dessa forma, apesar de a pressão inflacionária ter sido mais forte que a esperada, o Comitê mantém o diagnóstico de que esse choque é temporário, mas monitora sua evolução com atenção", disse.