Mercado abrirá em 4 h 56 min
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,45
    +0,33 (+0,46%)
     
  • OURO

    1.861,70
    +5,30 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    40.136,01
    -208,41 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,14
    -12,47 (-1,23%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.194,45
    +21,97 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.426,32
    -212,21 (-0,74%)
     
  • NIKKEI

    29.291,01
    -150,29 (-0,51%)
     
  • NASDAQ

    14.045,50
    +15,25 (+0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1160
    -0,0019 (-0,03%)
     

BC da Turquia mantém juros em 19% após alta da inflação

·2 minuto de leitura
Presidente do BC da Turquia, Sahap Kavcioglu

ISTAMBUL (Reuters) - O banco central da Turquia deixou sua taxa de juros em 19% como esperado nesta quinta-feira e repetiu a promessa de mantê-la acima da inflação, com o banco esperando que a alta dos preços desacelere depois de ter ultrapassado 17% com a depreciação da lira.

A lira perdeu 13% desde que Sahap Kavcioglu foi nomeado presidente do banco central em uma mudança repentina em março. Mas avançou 0,3% depois que o comitê de política monetária disse que vai manter a postura atual até que a queda prevista na inflação seja alcançada.

O banco central também disse que os aumentos anteriores dos juros, incluindo em março, começaram a esfriar a demanda na economia. Também retirou uma referência feita no comunicado de abril para "manter a postura de política monetária apertada".

Em pesquisa da Reuters, todos os 18 economistas projetavam que o banco iria manter sua taxa de juros de uma semana, antes de reduzi-la provavelmente no terceiro trimestre.

Investidores estrangeiros deixaram ativos turcos e a lira desde meados de março, quando o presidente Tayyip Erdogan demitiu o ex-presidente do banco central, Naci Agbal.

Na semana passada, o banco central elevou sua expectativa para a inflação no final do ano de 9,4% para 12,2%, ainda abaixo das expectativas do mercado. A autoridade monetária espera queda da inflação a partir de abril, quando ela chegou a 17,4%, nível mais alto em quase dois anos.

"O impacto desacelerador do aperto monetário no crédito e na demanda doméstica começa a ser observado", disse o comitê de política monetária do BC.

"Levando em conta os altos níveis de inflação e expectativas para a inflação, a atual postura de política monetária será mantida até que uma queda significativa na trajetória prevista no Relatório de Inflação de Abril seja alcançado", completou.

(Por Ezgi Erkoyun e Daren Butler)