Mercado fechará em 5 h 33 min
  • BOVESPA

    98.590,61
    -363,29 (-0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.192,70
    +449,55 (+0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,24
    +1,81 (+1,67%)
     
  • OURO

    1.809,00
    +7,50 (+0,42%)
     
  • BTC-USD

    19.574,99
    +537,06 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    423,95
    +3,81 (+0,91%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,86 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.243,04
    +74,39 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.830,35
    -29,44 (-0,13%)
     
  • NIKKEI

    26.153,81
    +218,19 (+0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.536,00
    -75,25 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5553
    -0,0034 (-0,06%)
     

BC da Rússia nega estar comprando moeda estrangeira para conter rali do rublo

Sede do banco central da Rússia, em Moscou

(Reuters) - O banco central russo negou nesta segunda-feira uma reportagem do jornal Vedomosti segundo a qual a instituição havia começado a comprar moeda estrangeira para frear a alta do rublo.

"Esta informação não corresponde à realidade", disse o banco central em resposta a um pedido de comentário da Reuters, sem dar mais detalhes.

O Vedomosti havia informado que o banco central russo começou a comprar moeda estrangeira para impedir um fortalecimento descontrolado do rublo.

O jornal citou duas fontes próximas ao governo e uma fonte próxima ao banco central.

Segundo o Vedomosti, o banco central está comprando moeda estrangeira de empresas voltadas para a exportação por meio de intermediários, disseram as fontes, sem dar detalhes do mecanismo de compra.

Até agora neste ano, o rublo ganha cerca de 30% em relação ao dólar, apesar de uma crise econômica em grande escala na Rússia, tornando-se a moeda de melhor desempenho do mundo no período.

O rublo tem sido artificialmente sustentado por controles de capital impostos no final de fevereiro para proteger o setor financeiro da Rússia depois que o país enviou dezenas de milhares de soldados para a Ucrânia.

(Reportagem da Reuters)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos