Mercado fechará em 1 h 1 min
  • BOVESPA

    109.201,72
    +99,73 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.543,51
    -964,84 (-1,84%)
     
  • PETROLEO CRU

    85,04
    -0,51 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.833,60
    -9,00 (-0,49%)
     
  • BTC-USD

    38.409,75
    -4.676,75 (-10,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    902,13
    +659,45 (+271,74%)
     
  • S&P500

    4.442,68
    -40,05 (-0,89%)
     
  • DOW JONES

    34.527,77
    -187,62 (-0,54%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.608,25
    -232,75 (-1,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1730
    +0,0429 (+0,70%)
     

BC da Espanha reduz projeções de crescimento para 2021 e 2022

·1 min de leitura
Pedestre caminha em frente ao prédio do BC da Espanha em Barcelona

MADRI (Reuters) - A recuperação econômica da Espanha desacelerou no quarto trimestre, afetada por gargalos na cadeia de suprimentos, aumento da inflação e um surto de infecções por Covid-19, disse o banco central espanhol nesta sexta-feira, ao revisar para baixo suas projeções de crescimento neste ano e no próximo.

Após uma queda recorde de 10,8% no ano passado, o Banco da Espanha agora prevê que o Produto Interno Bruto (PIB) crescerá 4,5% em 2021, ante estimativa de setembro de expansão de 6,3%.

O crescimento deve acelerar para 5,4% em 2022, quando a Espanha provavelmente sentirá os benefícios dos fundos europeus para recuperação da pandemia, mas também abaixo dos 5,9% esperados anteriormente, disse o BC.

O economista-chefe do banco central espanhol, Óscar Arce, disse esperar que a Espanha alcance os níveis de produção pré-pandemia apenas no final de 2022 ou no início de 2023.

A inflação ao consumidor na Espanha ajustada à UE deve atingir 3% para todo o ano de 2021, acima da previsão anterior de 2,1%, antes de cair gradualmente para 1,5% em 2024, prevê o banco central.

A taxa de desemprego deve encerrar o ano em 15%, em comparação com a previsão de setembro de 15,1%, antes de recuar para 12,4% em 2024.

(Por Jesús Aguado, Emma Pinedo e Belen Carreno)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos