Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.027,34
    +88,67 (+0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

BC da China vai intensificar implementação da política monetária e alavancar economia

Sede do Banco da China, em Pequim

HONG KONG (Reuters) - A China intensificará a implementação de sua política monetária prudente e estabilizará o emprego e os preços em um esforço para consolidar e melhorar a tendência ascendente da economia em meio aos crescentes riscos negativos da economia global, informou seu banco central nesta quarta-feira.

Pequim manterá a liquidez ampla, orientará os bancos comerciais a expandir os empréstimos de médio e longo prazo e manterá um crescimento razoável na oferta de dinheiro e na escala do financiamento social, disse o Banco do Povo da China em seu relatório de implementação de política monetária do terceiro trimestre.

"Daremos grande importância à possibilidade potencial de inflação futura, especialmente às mudanças no lado da oferta", acrescentou o banco central, prometendo manter os níveis de preços basicamente estáveis.

A segunda maior economia do mundo está enfrentando uma série de ventos contrários, incluindo restrições prolongadas da Covid-19, riscos de recessão global e desaceleração imobiliária.

A economia sofreu uma ampla desaceleração em outubro em meio aos bloqueios da Covid-19, conforme a produção industrial cresceu mais lentamente do que o esperado, as vendas no varejo caíram pela primeira vez em cinco meses e a contração imobiliária se intensificou.

Os dados negativos representam um desafio para as autoridades chinesas, à medida que conduzem a economia de 17 trilhões de dólares por um cenário complexo, após movimentos recentes para aliviar algumas restrições da Covid-19 e dar apoio financeiro ao setor imobiliário em dificuldades.

Sobre o enfraquecimento do iuan em relação ao dólar, o banco central disse que a China aumentará a o afrouxamento da taxa de câmbio da moeda e manterá o iuan estável dentro de um nível razoável.

(Reportagem de Liangping Gao, Ellen Zhang, Ryan Woo e redação de Pequim)