Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.812,87
    +105,11 (+0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.729,80
    -4,24 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,68
    +0,18 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.771,40
    +0,20 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    23.353,46
    -3,20 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,74
    +1,01 (+0,18%)
     
  • S&P500

    4.283,74
    +9,70 (+0,23%)
     
  • DOW JONES

    33.999,04
    +18,72 (+0,06%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.527,00
    +3,75 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2349
    -0,0243 (-0,46%)
     

BC da China vai intensificar suporte à economia, nível da dívida aumentará

Sede do Banco do Povo da China, em Pequim

PEQUIM (Reuters) - A China intensificará o suporte à economia, disseram autoridades do banco central nesta quarta-feira, acrescentando que o nível geral da dívida deve aumentar em meio aos esforços para reanimar a economia.

As observações em uma entrevista à imprensa depois de uma promessa de Yi Gang, presidente do Banco do Povo da China, de manter a política monetária expansionista para apoiar a recuperação econômica.

"Usaremos várias ferramentas de política monetária de forma oportuna e flexível, daremos espaço melhor às funções duplas de ferramentas agregadas e estruturais, impulsionaremos o apoio à economia real", disse Ruan Jianhong, chefe do departamento de estatísticas.

O banco central manterá a liquidez razoavelmente ampla e pressionará as instituições financeiras a reduzirem os custos de financiamento para as empresas, disse Zou Lan, chefe do departamento de política monetária.

"No segundo semestre do ano, a operação econômica ainda enfrenta grande incerteza e instabilidade", acrescentou ele. "Precisamos trabalhar duro para estabilizar a economia e prestar atenção às mudanças no cenário da inflação."

Analistas consultados pela Reuters estimaram que o crescimento econômico da China deve ter desacelerado acentuadamente para 1% no segundo trimestre, de 4,8% no período de janeiro a março, sugerindo que as autoridades podem ter que fazer mais para estimular o crescimento.

Em junho, a taxa de juros sobre novos empréstimos corporativos estava em 4,16%, 34 pontos-base abaixo do ano anterior, enquanto a taxa de juros sobre novos depósitos a prazo era de 2,5%, ou 16 pontos-base inferior ao ano anterior, disse Ruan.

(Reportagem de Kevin Yao)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos