Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,23
    +1,48 (+2,48%)
     
  • OURO

    1.713,40
    -20,20 (-1,17%)
     
  • BTC-USD

    50.978,96
    +3.348,09 (+7,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,09
    +31,00 (+3,14%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.675,47
    +61,72 (+0,93%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    12.673,75
    -381,50 (-2,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7741
    -0,0880 (-1,28%)
     

BC da China vai apoiar crescimento e observar riscos da dívida, diz presidente

·1 minuto de leitura
Presidente do BC da China, Yi Gang.

(Reuters) - A política monetária da China continuará a sustentar o crescimento econômico e o banco central vai observar os riscos da dívida e da inadimplência, disse nesta terça-feira o presidente do BC, Yi Gang.

Falando em uma reunião virtual do Fórum Econômico Mundial, Yi disse que as políticas macro da China vão se focar em maximizar o emprego, o que ajudaria o consumo, e que as exportações da China continuarão muito boas este ano.

"A política monetária continuará a impulsionar a economia, mas ao mesmo tempo vamos observar os riscos. Vamos manter um equilíbrio delicado entre sustentar a recuperação econômica, ao mesmo tempo em que impedimos o risco", disse Yi.

"Um risco é que a taxa de alavancagem macro da China aumentou um pouco no ano passado, o segundo risco é a inadimplência que está crescendo, e também observamos riscos externos, que é ver a situação do fluxo de capital."

Em reunião para definição de agenda em dezembro, líderes chineses prometeram manter a política fiscal proativa e tornar a política monetária flexível e direcionada.

O banco central adotou uma série de medidas, incluindo cortes de juros e de compulsório, desde o início de 2020 para sustentar a economia afetada pelo vírus. Mas passou a adotar uma postura mais constante nos últimos meses conforme a recuperação se solidifica.

"Vamos garantir que nossas políticas sejam consistentes e estáveis, e não vamos sair da política de suporte de forma prematura", disse Yi.

(Reportagem de Lusha Zhang e Kevin Yao)