Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.375,25
    -1.185,58 (-1,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.728,87
    -597,81 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    93,20
    +4,75 (+5,37%)
     
  • OURO

    1.701,80
    -19,00 (-1,10%)
     
  • BTC-USD

    19.592,81
    -349,23 (-1,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    445,50
    -9,53 (-2,09%)
     
  • S&P500

    3.639,66
    -104,86 (-2,80%)
     
  • DOW JONES

    29.296,79
    -630,15 (-2,11%)
     
  • FTSE

    6.991,09
    -6,18 (-0,09%)
     
  • HANG SENG

    17.740,05
    -272,10 (-1,51%)
     
  • NIKKEI

    27.116,11
    -195,19 (-0,71%)
     
  • NASDAQ

    11.096,25
    -445,50 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0768
    -0,0367 (-0,72%)
     

BC da China pede aos bancos que elevem volume de empréstimos, dizem fontes

XANGAI/PEQUIM (Reuters) - O banco central da China intensificou a pressão sobre as instituições financeiras com novas instruções para elevação do volume de empréstimos, disseram seis banqueiros com conhecimento do assunto.

A mensagem informal, emitida por telefone nos últimos meses para bancos comerciais, rurais e até estrangeiros, é emprestar mais dinheiro a empresas produtivas e colocar menos recursos em investimentos financeiros, disseram as fontes.

As ligações, segundo as fontes, vieram do Banco Popular da China (PBOC) e, em um caso, da Comissão Reguladora de Bancos e Seguros da China (CBIRC).

"O objetivo é incentivar os bancos a conceder mais empréstimos e colocar um piso como suporte da economia real", disse uma das fontes.

"Se você não empresta, você não pode investir."

O PBOC não comentou. O CBIRC, regulador bancário da China, não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

Três das fontes disseram que os bancos receberam uma nova exigência por meio de telefonemas para garantir que o crescimento dos empréstimos superasse os investimentos financeiros.

Outra fonte, de um banco rural, disse que seu banco foi incentivado a emprestar para pequenas empresas que sofreram o impacto de consumo mais lento e confiança em queda.

Há ainda banqueiros que receberam cotas de empréstimos mais altas pelo regulador bancário e pelo banco central, ou foram instruídos a registrar crescimento de empréstimos ano a ano em todos os meses após maio, disseram as pessoas.

Tais diretrizes informais não são novas, mas desta vez envolvem uma gama mais ampla e um maior número de bancos, de acordo com as fontes.

O valor do financiamento social total, uma medida ampla de crédito e liquidez na economia, atingiu o menor nível em seis anos em julho. No mesmo mês, os empréstimos domésticos pendentes de bancos e outras instituições financeiras depositárias cresceram 11% em relação ao ano anterior, o que foi ofuscado por um aumento de 17% nos investimentos em carteira de títulos, segundo dados mais recentes do banco central.

(Por redações de Pequim e Xangai)