Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,50 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.683,55
    -126,66 (-0,28%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,98
    -1,15 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.855,50
    -10,40 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    31.964,61
    +170,28 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    651,44
    +41,45 (+6,79%)
     
  • S&P500

    3.841,47
    -11,60 (-0,30%)
     
  • DOW JONES

    30.996,98
    -179,03 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.695,07
    -20,35 (-0,30%)
     
  • HANG SENG

    29.447,85
    -479,91 (-1,60%)
     
  • NIKKEI

    28.631,45
    -125,41 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    13.355,25
    -40,25 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6542
    +0,1458 (+2,24%)
     

BC da China deve esfriar crescimento do crédito em 2021 e evitar aperto prematuro da política monetária, dizem fontes

Kevin Yao
·1 minuto de leitura
Sede do BC da China em Pequim

Por Kevin Yao

PEQUIM (Reuters) - O banco central da China reduzirá o apoio à economia em 2021 e esfriará o crescimento do crédito, mas temores de prejudicar a recuperação diante da crise induzida pela pandemia e medo de defaults de dívida provavelmente impedirão um aperto da política monetária tão cedo, disseram fontes.

Isso amplia um tema recentemente delineado na Conferência Central de Trabalho Econômico da China para elaborar planos para 2021, em que os líderes disseram que o país manteria sua política fiscal proativa e tornaria a política monetária flexível e direcionada.

O Banco do Povo da China deve manter sua taxa básica de juros inalterada nos próximos meses, à medida que conduz uma desaceleração constante na expansão do crédito em 2021, disseram as três fontes, que estão envolvidas em discussões internas mas não quiseram ser identificadas pois os detalhes ainda não são públicos.

"A política monetária definitivamente não estará tão frouxa como antes", disse uma das pessoas. "Mas um aperto repentino nas políticas monetárias exporia problemas na economia, como inadimplência de dívidas."