Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,78
    +0,07 (+0,11%)
     
  • OURO

    1.815,00
    -0,70 (-0,04%)
     
  • BTC-USD

    56.186,65
    -655,32 (-1,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.461,08
    -10,33 (-0,70%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.784,86
    +147,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.398,23
    +66,86 (+0,23%)
     
  • NASDAQ

    13.652,75
    +55,00 (+0,40%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3653
    -0,0013 (-0,02%)
     

BC da Alemanha mantém confiança sobre economia e mercado imobiliário

·1 minuto de leitura
Entrada do BC da Alemanha em Frankfurt

FRANKFURT (Reuters) - A economia da Alemanha provavelmente ainda está crescendo, embora de forma mais lenta, uma vez que o mercado imobiliário do país está se mantendo bem apesar do ressurgimento da pandemia de coronavírus, afirmou o banco central alemão nesta segunda-feira.

O Bundesbank afirmou que a maior economia da Europa está desacelerando e que o mais recente aumento nas infecções deve afetar principalmente o setor hoteleiro.

"O recente aumento forte nos números de infecções e as medidas de contenção associadas adotadas em algumas regiões podem afetar principalmente os setores de serviços e indústria hoteleira", disse o Bundesbank em seu relatório mensal.

"Do ponto de vista de hoje, a economia alemã pode estar prolongando sua recuperação no trimestre atual, embora a um ritmo bem mais lento."

O banco central também notou que a pandemia quase não afetou o mercado imobiliário e que essa tendência pode continuar desde que o impacto econômico da pandemia continue sendo temporário.

"Uma correção abrupta nos preços imobiliários não está no futuro próximo desde que não haja problemas graves à atual recuperação econômica", disse o Bundesbank.

(Reportagem de Francesco Canepa)