Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.113,20
    +62,83 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

BC do Chile melhora previsão de crescimento econômico em 2022

Porto de Valparaíso, Chile

Por Fabian Cambero

SANTIAGO (Reuters) - A economia do Chile deve expandir entre 1,5% e 2,25% este ano, após a sólida recuperação no ano passado do impacto da pandemia do coronavírus, disse o banco central nesta quarta-feira.

Em seu Relatório de Política Monetária de março, o banco central havia projetado uma expansão menor, de 1,0% a 2,0% este ano.

"O ajuste da atividade ocorre com uma diferença marcada entre o comportamento do consumo e do investimento, em que o primeiro ainda se mantém em níveis elevados", disse o banco.

O banco observou que existem cenários nos quais o crescimento poderia sair da faixa de projeções se as condições externas piorarem, como o conflito na Ucrânia ou uma maior deterioração das condições financeiras globais.

Para 2023, o banco espera contração de 1% ou estagnação, enquanto que para 2024 estabeleceu uma faixa positiva de 2,25% a 3,25%.

O banco central disse que a persistência de custos externos mais altos e um consumo mais dinâmico do que o previsto levou a uma revisão significativa da trajetória da inflação.

Isto elevará a inflação média anual para 10,8% este ano, acima da faixa de tolerância. A estimativa anterior era de 8,2%.

Na terça-feira, o banco central decidiu por outro aumento na taxa de juros de referência para 9%, em meio à forte pressão inflacionária.

(Reportagem de Fabián Andrés Cambero)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos