Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    36.009,37
    -1.490,34 (-3,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

BC avalia que alta da inflação em economias avançadas pode reverter fluxos para emergentes

·2 minuto de leitura
Homem passa em frente à sede do Banco Central em Brasília

SÃO PAULO (Reuters) - O aumento recente da inflação nas economias avançadas pode causar deterioração abrupta das condições monetárias globais, causando repreficação desordenada dos ativos e aumento da aversão ao risco, avaliou o Comitê de Estabilidade do Banco Central, destacando a possibilidade de reversão dos fluxos de capital para economias emergentes.

Na ata de sua última reunião, divulgada nesta terça-feira, o comitê ressaltou que os bancos centrais mantêm a comunicação de que o aumento recente da inflação é temporário e que os estímulos serão mantidos.

"Contudo, questionamentos dos mercados a respeito de riscos inflacionários nessas economias podem tornar o ambiente desafiador para países emergentes", disse o Comef no documento.

O Comef avaliou ainda que a exposição do Sistema Financeiro Nacional ao risco da taxa de câmbio é baixa e a dependência do funding externo é pequena.

A avaliação do comitê na reunião foi de que o restabelecimento da neutralidade da política macroprudencial é apropriada no momento, especificamente o retorno da parcela Adicional de Conservação de Capital Principal (ACPConservação), com conclusão prevista para março de 2022.

Além disso, destacou que o ambiente econômico continua exigindo atenção por parte da autoridade reguladora e supervisora, apesar do otimismo cauteloso do cenário atual. Mas o comitê mantém a recomendação de que as Instituições Financeiras mantenham a prudência na política de gestão de capital.

"Ao longo de 2021, os bancos devem destinar os lucros de forma conservadora e alinhada às incertezas presentes e ao momento econômico", completou.

O comitê avaliou ainda que o custo de manutenção de liquidez aumentou e os prazos de captação encurtaram. "A taxa média de captação tem se elevado e segue acima da taxa básica de juros, ao contrário do que ocorria até 2019. Ao mesmo tempo, os prazos das captações foram encurtados em decorrência da crise", disse o Comef, avaliando que as instituições financeiras têm capacidade de adaptação para lidar com as mudanças.

O Comef é responsável por estabelecer diretrizes para resguardar a estabilidade financeira e prevenir riscos sistêmicos. O colegiado se reúne quatro vezes ao ano.

(Por Camila Moreira)