Mercado abrirá em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,02
    -0,33 (-0,54%)
     
  • OURO

    1.788,30
    -4,80 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    54.264,40
    -1.296,45 (-2,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.259,36
    -3,60 (-0,28%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.899,99
    +4,70 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.902,75
    -16,50 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6444
    -0,0576 (-0,86%)
     

BC autoriza uso do WhatsApp para transferências de recursos

Aluisio Alves
·3 minuto de leitura
BC autoriza Visa e Mastercard a usarem WhatsApp para pagamentos

Por Aluisio Alves

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central autorizou nesta terça-feira arranjos das bandeiras de cartões Visa e Mastercard a usarem o WhatsApp, serviço de mensageria do Facebook, para transferências de recursos, cerca de nove meses após ter limitado a parceria a um período de testes antes de ser lançada em larga escala.

Anunciada em junho do ano passado, a parceria que também envolvia a Cielo, foi logo barrada tanto pelo BC quanto pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que alegaram tanto riscos ao Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) quanto à concorrência, dada a posição dominante de mercado da Cielo e do Facebook.

Posteriormente, BC e Cade pediram esclarecimentos sobre a estrutura de remuneração dos serviços e a autoridade monetária autorizou a retomada da parceria em fase de testes, enquanto avançava com o sistema instantâneo de transferência de valores, PIX, lançado em novembro.

Ao anunciar a autorização nesta noite, o BC disse acreditar que os arranjos "poderão abrir novas perspectivas de redução de custos para os usuários de serviços de pagamentos".

Mais cedo nesta terça-feira, em evento do banco Daycoval, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que em breve o WhatsApp seria aprovado no Brasil e que há outros sistemas juntando mídias sociais e finanças.

Em nota após o anúncio do BC, um porta-voz do WhatsApp afirmou ter recebido a decisão do BC "com muita satisfação" e que está em preparativos finais para disponibilizar a funcionalidade no Brasil.

"Agora, mais do que nunca, pagamentos digitais seguros e convenientes oferecem uma solução vital para transferir dinheiro rapidamente para pessoas que necessitam e auxiliar empresas em sua recuperação econômica", diz trecho da nota do WhatsApp.

Já a Visa afirmou que recebeu "com satisfação a decisão do Banco Central e espera continuar seu trabalho com emissores e o WhatsApp para habilitar os pagamentos pelo aplicativo, tornando-o disponível para todos no Brasil".

E a Mastercard afirmou que continuará "a trabalhar com o WhatsApp e outros parceiros para oferecer opções de pagamento inovadoras e seguras aos consumidores e empresas brasileiras".

FACEBOOK PAY

Ao anunciar a autorização do WhatsApp para transferências de recursos, o BC agregou que isso não inclui os arranjos de compra vinculados ao Facebook Pay, que seguem em análise.

A Cielo, maior empresa de pagamentos do país, saudou a decisão do BC, afirmando que ela "promoverá a inclusão de uma grande quantidade de brasileiros em meios de pagamento", mas ressalvou que aguarda a aprovação para o arranjo chamado P2M, que permite o pagamento com cartão de crédito.

Essa funcionalidade, dentro do acordo, será abrigada pelo Facebook Pay. Diferente das transferências de recursos entre contas, o pagamento com cartão de crédito envolve a inclusão de uma série de dados adicionais dos lojistas, como o chamado domicílio bancário, informação relevante para empresas de pagamentos, que podem usá-los para estratégias comerciais.

Atualmente, o acordo para uso do Facebook Pay tem acordo apenas com a Cielo como adquirente e, segundo executivos do mercado, o BC quer que outras empresas do setor participem desse arranjo antes de autorizar o funcionamento.

(Com reportagem adicional de Carolina Mandl e José de Castro)