Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.095,53
    +537,86 (+0,50%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.056,27
    +137,99 (+0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,55
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.785,10
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.791,71
    +328,25 (+0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.320,56
    +15,44 (+1,18%)
     
  • S&P500

    4.701,21
    +14,46 (+0,31%)
     
  • DOW JONES

    35.754,75
    +35,32 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.337,05
    -2,85 (-0,04%)
     
  • HANG SENG

    23.996,87
    +13,21 (+0,06%)
     
  • NIKKEI

    28.827,43
    -33,19 (-0,11%)
     
  • NASDAQ

    16.376,50
    -15,75 (-0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2824
    +0,0083 (+0,13%)
     

BC australiano perde controle da curva de juros em meio a liquidação de bônus

·2 min de leitura
Duas mulheres caminham em frente à sede do banco central da Austrália, no centro de Sydney

Por Wayne Cole

SYDNEY (Reuters) - O banco central da Austrália perdeu nesta sexta-feira todo o controle da meta de rendimento, crucial para sua política de estímulo, uma vez que os títulos sofreram a maior queda em décadas e os mercados clamaram por aumentos das taxas já em abril.

Uma semana já tórrida para a dívida ficou ainda pior quando o Reserve Bank of Australia (RBA, na sigla em inglês) novamente se recusou a defender sua meta de 0,1% para o título-chave de abril de 2024, embora seu rendimento tivesse escalado para 0,58%.

Mas a disparada acelerou, com a taxa indo a 0,823%, enquanto os rendimentos de títulos de três anos registraram seu maior aumento mensal desde 1994.

Todos os olhos estão agora voltados para a reunião de política monetária do RBA em 2 de novembro, para a qual investidores apostam que o banco central encerrará o controle da curva de rendimento (YCC) e sua orientação de nenhum aumento nas taxas de juros até 2024.

"A única conclusão que podemos tirar é que o regime do YCC está prestes a ser formalmente abandonado na reunião da próxima semana", disse Ben Jarman, estrategista de taxas de juros do JPMorgan.

"Se for assim, é uma reviravolta surpreendente", acrescentou. "A queda do YCC é um sinal forte, então antecipamos nossa expectativa para a primeira alta de juros do fim de 2023 para o quarto trimestre de 2022."

Os mercados já estão bem adiantados, com contratos futuros precificando aumento do juro à vista de 0,1% para 0,25% já em abril, enquanto swaps mostram taxas acima de 1% no fim do ano.

Os rendimentos dos títulos de três anos atingiram seu nível mais alto desde meados de 2019, a 1,284%, trazendo o aumento da semana a 47 pontos-base. Para o mês, os rendimentos subiram surpreendentes 90 pontos-base, provavelmente deixando muitos investidores em forte prejuízo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos