Mercado fechará em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    108.556,53
    -1.789,29 (-1,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.956,88
    -420,01 (-0,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    110,68
    +0,39 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.863,60
    +15,80 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    29.030,03
    -1.230,89 (-4,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    646,50
    -9,33 (-1,42%)
     
  • S&P500

    3.889,96
    -83,79 (-2,11%)
     
  • DOW JONES

    31.489,77
    -390,47 (-1,22%)
     
  • FTSE

    7.485,46
    -27,98 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    20.112,10
    -357,96 (-1,75%)
     
  • NIKKEI

    26.748,14
    -253,38 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.607,75
    -427,50 (-3,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1808
    +0,0331 (+0,64%)
     

BC afirma que saldo de crédito chega a R$ 4,7 trilhões em fevereiro

*ARQUIVO* Brasília, DF - 11/01/2022 - Nesta terça (11) o Banco Central divulga inflação oficial de 2021 em 10,06% maior nível de inflação em 6 anos. Foto fachada do prédio do Banco Central em Brasília. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)
*ARQUIVO* Brasília, DF - 11/01/2022 - Nesta terça (11) o Banco Central divulga inflação oficial de 2021 em 10,06% maior nível de inflação em 6 anos. Foto fachada do prédio do Banco Central em Brasília. (FOTO: Antonio Molina/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O estoque de todos os empréstimos feitos por instituições financeiras, no Brasil, chegou a R$ 4,711 trilhões, em fevereiro, com alta de 0,8% em relação a janeiro e de 16,6% em 12 meses. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (28), em Brasília, pelo Banco Central (BC). As informações são da Agência Brasil.

Esse saldo do crédito correspondeu a 53,3% de tudo o que o país produz – o Produto Interno Bruto (PIB) – resultado estável em relação a janeiro deste ano e a fevereiro de 2021.

O saldo de crédito às empresas aumentou 1% em relação a janeiro e 10,3% em relação ao mesmo período do ano anterior, ao totalizar R$ 1,952 trilhão. No caso das famílias, o estoque de crédito somou R$ 2,759 trilhões, com incrementos de 0,7% e de 21,4% nas mesmas bases de comparação.

A taxa média de juros para pessoas físicas ficou em 48,1% ao ano, no mês, com aumento de 1,8 ponto percentual em relação a janeiro. No ano, o aumento chegou a 3,1 pontos percentuais e, em 12 meses, a 8 pontos percentuais.

No caso das empresas, o aumento de um mês para o outro foi de apenas de 0,1 ponto percentual, mas no ano chegou a 1,1 ponto percentual e, em 12 meses, a 7,7 pontos percentuais. Os juros cobrados das empresas ficaram em 21,5% ao ano, em fevereiro.

Entre as modalidades para pessoas físicas, o rotativo do cartão de crédito tem a taxa mais alta: 355,2% ao ano. Houve aumento de 8,9 pontos percentuais, em fevereiro, e de 28,2 pontos percentuais, em 12 meses.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras parcelam a dívida.

Na modalidade de parcelamento das compras pelo cartão de crédito, os juros chegaram a 174,3% ao ano em fevereiro, com aumento de 1,8 ponto percentual, no mês. Nessa taxa média estão as compras parceladas, o parcelamento de fatura de cartão de crédito ou o migrado do rotativo e saques parcelados.

A taxa de juros do cheque especial chegou a 132,6% ao ano, com aumento de 6,9 pontos percentuais, no mês, e de 7,1 pontos percentuais, em 12 meses.

A taxa de juros do crédito pessoal não consignado subiu para 83,4% ao ano em fevereiro, com aumento de 3,6 pontos percentuais em relação a janeiro e queda de 1,1 ponto percentual, em 12 meses.

A taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) caiu 0,2 ponto percentual, indo para 22,9% ao ano, em fevereiro. Em 12 meses, subiu 4,1 pontos percentuais.

A inadimplência do crédito, considerados atrasos acima de 90 dias, para pessoas físicas, subiu 0,1 ponto percentual, chegando a 4,7%. Para as pessoas jurídicas, a inadimplência caiu 0,1 ponto percentual e ficou em 1,5%.

Todos esses dados de taxas de juros e inadimplência são do crédito livre, em que os bancos têm autonomia para emprestar o dinheiro captado no mercado e definir as taxas de juros cobradas dos clientes.

No caso do crédito direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito), os juros para as pessoas físicas caíram 0,8 ponto percentual para 8,5% ao ano. A taxa cobrada das empresas subiu 0,2 ponto percentual para 10,7% ao ano, no mês.

A greve dos servidores do Banco Central, neste mês, atrasou a divulgação de relatórios, como esse de hoje das estatísticas de crédito. Com a suspensão da greve, anunciada no último dia 19, a divulgação de estatísticas está sendo normalizada gradualmente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos