Mercado fechará em 1 h 53 min
  • BOVESPA

    111.570,56
    +660,95 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.571,47
    +397,41 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,36
    +2,16 (+2,76%)
     
  • OURO

    1.766,30
    +2,60 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    16.872,18
    +454,68 (+2,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,77
    +0,07 (+0,02%)
     
  • S&P500

    3.952,04
    -5,59 (-0,14%)
     
  • DOW JONES

    33.688,84
    -163,69 (-0,48%)
     
  • FTSE

    7.573,05
    +61,05 (+0,81%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.558,50
    +33,75 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4255
    -0,0311 (-0,57%)
     

BB vai na contramão de Bradesco com previsões e lucro animadores

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) -O Banco do Brasil apresentou resultados trimestrais e projeções surpreendentemente positivos nesta quarta-feira, em franca oposição aos divulgados por seus rivais privados, como o Bradesco, revelando a diferença de desempenho entre os maiores bancos do país num ambiente de juros e inflação altos.

O banco controlado pelo governo federal publicou nesta quarta-feira lucro ajustado do terceiro trimestre de 8,36 bilhões de reais, um salto de 62,7% sobre um ano antes. O número também veio acima da previsão média de analistas consultados pela Refinitiv, de 7,36 bilhões de reais para o período. A rentabilidade ajustada sobre o patrimônio foi de 21,5%, um salto de 7,2 pontos percentuais ano a ano.

A última linha do balanço refletiu um equilíbrio largamente mais bem sucedido do que os rivais privados entre crescimento da carteira de crédito e controle da inadimplência.

No fim de setembro, o estoque de empréstimos do BB somava 969,2 bilhões de reais, um aumento de 19%, com destaque para linhas como cartão de crédito (+31,5%) e agronegócio (+26,7%).

O índice de inadimplência acima de 90 dias, de 2,34%, cresceu ante os 1,82% de um ano antes, mas ficou bem abaixo dos níveis mostrados por Santander Brasil e Bradesco.

Com isso, a despesas com provisão para perdas com calotes subiu 15,1% no comparativo anual, para 4,52 bilhões de reais.

Em comparação, a provisão ddivulgada pelo Bradesco na noite da véspera disparou 116% no período, com o banco também elevando fortemente a expectativa de despesa nesta linha para o ano e prevendo uma primeira metade de 2023 ainda difícil, o que fez perder mais de 30 bilhões de reais de valor de mercado na bolsa nesta sessão.

Na semana passada, a unit do Santander Brasil chegou a cair 9% na B3 após o banco ter também reportado lucro trimestral abaixo do esperado pelo mercado, com maiores provisões para calotes e compressão nas margens.

"Os resultados que apresentamos se originam do bom desempenho da margem financeira bruta, da diversificação nas receitas com serviços, despesas sob controle e capital forte", afirmou o presidente-executivo do BB, Fausto Ribeiro, em nota.

A margem financeira líquida do banco, que reflete a equação entre custos de captação e o valor cobrado de clientes nos empréstismo, cresceu 28,4% ano a ano, para 15 bilhões de reais.

As receitas com tarifas e serviços evoluíram 14,6%, em ritmo bastante superior ao das despesas administrativas, de 6,2%. Na tesouraria, o resultado quase dobrou, a 10,2 bilhões de reais.

PREVISÕES

O BB ainda elevou a previsão de crescimento da carteira de crédito de 2022, da faixa de 12% a 16% para 15% a 17%, além de esperar mais receitas com tarifas e com margem financeira.

O banco ainda previu que seu lucro do ano agora vai gravitar entre 30,5 bilhões e 32,5 bilhões de reais, ante previsão anterior de 27 bilhões a 30 bilhões.

As ações do BB encerraram antes da divulgação do resultado em queda de 2,65%, a 37,06 reais.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)