Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.782,10
    +21,40 (+1,22%)
     
  • BTC-USD

    49.306,86
    +852,76 (+1,76%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

BB tem alta de 47,6% no lucro líquido no terceiro trimestre, para R$ 5,1 bilhões

·3 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O BB (Banco do Brasil) registrou lucro líquido ajustado de R$ 5,1 bilhões no terceiro trimestre de 2021, de acordo com balanço divulgado nesta segunda-feira (8). O resultado representa um aumento de 47,6% na comparação com igual período do ano passado, e de 2% ante o trimestre imediatamente anterior.

"Esse bom desempenho é explicado por menores despesas com provisões de crédito, maiores receitas, com crescimento da margem financeira bruta e das rendas com prestação de serviços, e sólido controle das despesas administrativas", diz o banco no relatório.

Frente aos resultados apresentados, o banco revisou suas projeções para o crescimento do lucro líquido ajustado em 2021, de uma faixa entre 17% e 20%, para algo em torno de 19% a 21%.

Nos nove primeiros meses de 2021, o BB registrou lucro líquido de R$ 15,1 bilhões, elevação de 48,1% se comparado com igual intervalo de 2020, beneficiado pela relativa estabilidade das despesas e pelo aumento das receitas de prestação de serviços.

A carteira de crédito da instituição chegou a R$ 814,2 bilhões em setembro, alta de 11,4% em bases anuais, e de 6,2% ante junho de 2021, impulsionada pelo avanço em segmentos como pessoas físicas, com crescimento de 14,2% na comparação anual, MPME, com alta de 24,6%, e agronegócios, com 18,5%.

Entre as pessoas físicas, tiveram contribuição importante para a performance positiva as linhas de crédito consignado (16,4%), empréstimo pessoal (40,1%) e cartão de crédito (41,3%) na comparação anual. "Resultado da estratégia de alteração do mix para linhas mais rentáveis", informa o BB.

No caso das pequenas e médias empresas, contribuiu para o resultado os desembolsos de R$ 8,1 bilhões nas linhas do Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte) no período.

A previsão para o aumento da carteira de crédito do BB agora é de algo entre 14% e 16% neste ano, contra 8% a 12% anteriormente.

As receitas de prestação de serviços somaram R$ 7,3 bilhões, alta de 2,2% ano contra ano, e de 3,2% na margem, com destaque para o desempenho de administração de fundos (9,9%), seguros, previdência e capitalização (6,0%) e consórcios (11,7%).

As despesas administrativas, por sua vez, somaram R$ 7,83 bilhões, alta de 1% em bases anuais, e de 0,7% na margem.

Já a taxa de inadimplência acima de 90 dias foi de 1,82%, contra 2,43% há um ano, e 1,86% em junho de 2021.

As provisões para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) atingiram R$ 43,95 bilhões, incremento de 3,8% na comparação anual, e de 2,7% ante o segundo trimestre de 2021.

"Revisamos nossa arquitetura de canais, agregando novos formatos de pontos de contato e de atendimento, por meio de estruturas proprietárias ou por meio de parceiros, visando sempre ofertar a melhor conveniência para o cliente de forma integrada às plataformas digitais", aponta o BB.

Segundo o banco, nos últimos seis anos, foram investidos cerca de R$ 23,2 bilhões no uso intensivo de tecnologia, integrando canais físicos e digitais.

*

RAIO-X | BANCO DO BRASIL

Fundação: 1808

Lucro líquido no 3º trimestre de 2021: R$ 5,1 bilhões

Agências: 3.977

Funcionários: 85.069

Principais concorrentes: Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos