Mercado fechado

Bayer registra forte alta do lucro trimestral devido ao coronavírus

Foto: Jörg Carstensen/picture alliance via Getty Images

O grupo alemão Bayer anunciou nesta segunda-feira (27) uma forte alta de mais de 20%, equivalente a 1,5 bilhão de euros, no lucro do primeiro trimestre de 2020, devido ao "aumento da demanda" na área de saúde em consequência do novo coronavírus.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Ao mesmo tempo, o gigante da indústria química e farmacêutica informou que sua filial americana Monsanto enfrenta 52.500 ações judiciais pelo herbicida glifosato.

Leia também

A Bayer registrou faturamento de 12,8 bilhões de euros no primeiro trimestre, uma alta de 5,7%.

A empresa teve um lucro líquido, excluindo os efeitos excepcionais (EBITDA), de 4,4 bilhões de dólares, uma alta de 10,2%.

A divisão de saúde do grupo registrou alta de 13,5% no faturamento, "um forte crescimento devido a um aumento da demanda" causada pela pandemia de COVID-19.

A empresa, no entanto, indicou que ainda não pode medir o impacto do novo coronavírus para o conjunto de 2020, já que muitas medidas adotadas na luta contra a pandemia tiveram um impacto negativo.

A divisão agroquímica teve alta de 6,1% no faturamento e continua se beneficiando da compra do grupo americano Monsanto em 2017, que permitiu a Bayer assumir a liderança mundial no setor.

Mas a compra também provoca problemas para a Bayer nos Estados Unidos devido ao produto "Round'up", um herbicida fabricado com glifosato, classificado como potencialmente cancerígeno em 2015 pelo Centro Internacional de Pesquisas sobre o Câncer (CIRC), um organismo vinculado à Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Monsanto enfrenta nos Estados Unidos um total de 52.500 demandas judiciais, contra 48.600 em fevereiro.

Depois de ser condenada em primeira instância em vários casos, a Bayer deseja "seguir participando de maneira construtiva no processo de mediação" que, em consequência da pandemia, não avançou muito.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.