Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.048,23
    -169,47 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Baterias "enferrujadas" prometem mais de 100 horas de armazenamento

A empresa estadunidense Form Energy desenvolveu uma espécie de bateria “enferrujada” de longa duração, capaz de fornecer até 100 horas de armazenamento seguro para sistemas de produção de energia sustentável e limpa, como eólica e solar.

Segundo a fabricante, as células conhecidas como baterias de ferro-ar podem ajudar na descarbonização do setor de energia elétrica, além de serem mais baratas que outros sistemas de armazenamento feitos à base de íons de lítio, e usarem apenas materiais prontamente disponíveis.

“As baterias de íon-lítio de hoje exigem materiais caros, como lítio, cobalto, níquel e grafite, originários principalmente de outros países. Essa nova célula, no entanto, armazena eletricidade usando metal de ferro simples por meio do princípio chamado ferrugem reversível”, explicou o CEO da Form Energy, Mateo Jaramillo, em um comunicado à imprensa.

Bateria “enferrujada”

Com a tecnologia desenvolvida pela Form Energy, as baterias convertem metal de ferro em ferrugem ao descarregar e, durante esse processo, também transformam a ferrugem em ferro ao carregar. Esse sistema garante um fluxo de energia muito maior em comparação com as baterias de íons de lítio.

Baterias de ferro-ar podem aumentar o tempo de armazenamento de energia em sistemas eólicos e solares (Imagem: chuyu2014/Envato)
Baterias de ferro-ar podem aumentar o tempo de armazenamento de energia em sistemas eólicos e solares (Imagem: chuyu2014/Envato)

Outra vantagem é que as baterias de ferro-ar são muito maiores e estáveis do que as células de lítio, podendo armazenar e descarregar energia por até 100 horas de forma segura e constante. Atualmente, as baterias de íons de lítio dificilmente conseguem ultrapassar quatro horas de armazenamento para sistemas de energia eólica ou solar.

“As baterias de ferro-ar foram avaliadas pela primeira vez no início dos anos 1970 para uso em veículos elétricos. Hoje, no entanto, dados mais recentes indicam que eles poderiam ajudar a promover e diversificar o futuro fornecimento de energia elétrica verde para serviços públicos”, acrescentou Jaramillo.

Linha de produção

A Form Energy já escolheu um local para instalar sua primeira fábrica de baterias de ferro-ar. A unidade começará a ser construída a partir de 2023 na cidade de Weirton, na Virgínia Ocidental, nos Estados Unidos. A ideia é que instalação comece a funcionar em 2025.

Segundo Jaramillo, a bateria de armazenamento de ferro-ar ainda é muito grande e pesada para ser usada em veículos elétricos. No entanto, os engenheiros estão trabalhando para reduzir o tamanho dessas células de energia e aumentar o seu número de aplicações no futuro.

“Isso ainda está muito longe e, por enquanto, as baterias de íon-lítio estão prosperando no setor automotivo. Nosso foco principal é alcançar a independência de energia renovável, atendendo aos desafios da cadeia de suprimentos que necessita de tecnologias capazes de armazenar eletricidade de forma mais econômica e por vários dias”, encerra Mateo Jaramillo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: