Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,34 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,15
    -0,20 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.818,80
    -10,90 (-0,60%)
     
  • BTC-USD

    36.523,15
    -192,01 (-0,52%)
     
  • CMC Crypto 200

    835,69
    -20,12 (-2,35%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,64 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    24.289,90
    +46,30 (+0,19%)
     
  • NIKKEI

    27.011,33
    -120,01 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.150,75
    +9,95 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1054
    -0,0467 (-0,76%)
     

Bateria de carbono-ar pode melhorar armazenamento de energia renovável

·2 min de leitura

Pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Tóquio, no Japão, desenvolveram uma bateria de carbono-ar capaz de superar o hidrogênio em dispositivos de armazenamento de energia limpa. A novidade pode ser uma resposta viável para garantir o abastecimento constante em sistemas eólicos e solares.

Atualmente, existem várias propostas para armazenar a eletricidade gerada por fontes renováveis de energia. Um delas é a bateria de hidrogênio, mas essa solução requer um espaço muito grande para ser construída, além de sofrer com a baixa eficiência energética e precisar de gerenciamento térmico contínuo.

Esse novo sistema alternativo utiliza o carbono como fonte de energia no lugar do hidrogênio. A bateria secundária de carbono-ar (CASB) nada mais é do que um dispositivo de combustível de óxido sólido e uma célula de eletrólise, no qual o carbono gerado é oxidado com o oxigênio do ar ambiente para produzir eletricidade.

Bateria de carbono-ar

As células de eletrólise podem ser alimentadas com dióxido de carbono liquefeito por compressão, compondo um sistema de armazenamento mais eficiente. Como o carbono fica em um espaço confinado, a densidade de energia da CASB é proporcional a quantidade de carbono contida no dispositivo.

Esquema de funcionamento da bateria de carbono-ar (Imagem: Reprodução/Instituto de Tecnologia de Tóquio)
Esquema de funcionamento da bateria de carbono-ar (Imagem: Reprodução/Instituto de Tecnologia de Tóquio)

Apesar dessa aparente limitação, os pesquisadores descobriram que as baterias de carbono-ar possuem uma densidade de energia volumétrica muito maior em comparação com os sistemas de armazenamento que funcionam à base de hidrogênio e seus derivados mais comuns.

“O sistema CASB foi capaz de utilizar a maior parte do carbono depositado no eletrodo para geração de energia, alcançando uma eficiência coulômbica máxima de 84%, rendimento de carga e descarga de 38% e densidade de potência de 80 mW/cm², sustentada ao longo de 10 ciclos e sem degradação do eletrodo”, explica o professor Manabu Ihara, autor principal do estudo.

Mais eficiente

Assim como uma bateria convencional, o novo sistema de armazenamento desenvolvido pelos pesquisadores é carregado usando a energia gerada pelas fontes renováveis para reduzir o dióxido de carbono para apenas carbono. Durante a fase de carga e descarga, esse carbono sofre oxidação e produz eletricidade.

Possíveis aplicações de sistemas sustentados por baterias de carbono-ar (Imagem: Reprodução/Instituto de Tecnologia de Tóquio)
Possíveis aplicações de sistemas sustentados por baterias de carbono-ar (Imagem: Reprodução/Instituto de Tecnologia de Tóquio)

A vantagem da bateria de carbono-ar é que a maior parte da energia confinada dentro das células pode ser recuperada durante longos ciclos de carga e descarga, mantendo sua capacidade de armazenamento praticamente inalterada, o que não ocorre com os sistemas que utilizam hidrogênio como combustível.

“Nós encontramos uma solução viável, capaz de estabelecer uma nova base para a fabricação de sistemas mais compactos e eficientes de energia de carbono, que podem funcionar ao lado de fontes renováveis de eletricidade, proporcionando um futuro livre de combustíveis fósseis”, prevê o professor Manabu Ihara.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos