Mercado fechará em 2 h 6 min
  • BOVESPA

    107.938,21
    -3.501,16 (-3,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.608,83
    -698,88 (-1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,58
    -1,39 (-1,93%)
     
  • OURO

    1.764,40
    +13,00 (+0,74%)
     
  • BTC-USD

    44.047,69
    -3.318,85 (-7,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.101,49
    -32,89 (-2,90%)
     
  • S&P500

    4.338,36
    -94,63 (-2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.836,88
    -748,00 (-2,16%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.929,25
    -396,75 (-2,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2644
    +0,0650 (+1,05%)
     

Barroso responde acusação de Bolsonaro sobre indulto a José Dirceu

·1 minuto de leitura

RIO — O ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso respondeu, nesta quinta-feira, a acusação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que teria atuado em benefício do PT ao conceder o perdão da pena ao ex-ministro petista José Dirceu. O magistrado usou as redes para explicar que quem dá o indulto é o presidente da República e o Judiciário apenas aplica o decreto.

"Um esclarecimento: quem concede indulto é o presidente da República. O Judiciário apenas aplica o decreto presidencial. Nas execuções penais do mensalão, deferi o benefício a todos que se adequaram aos requisitos", escreveu Barroso no Twitter.

Mais cedo, Bolsonaro havia compartilhado pela rede uma foto da notícia em que Barroso concede o indulto ao ex-ministro da Casa Civil no governo de Lula. Na legenda, o presidente fez referência ao versículo bíblico que costuma usar bastante: "conhecerão a verdade, e a verdade os libertará".

Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), entrou na rota direta dos ataques de Bolsonaro nesta semana, após o presidente se tornar alvo de duas ações da corte por seus constantes ataques às urnas eletrônicas. Bolsonaro afirmou, na quarta-feira, que não aceitará "intimidações" e que sua "briga" é com o presidente do tribunal eleitoral. Já na noite de ontem, o mandatário elevou o tom e ameaçou atuar fora 'das 4 linhas da Constituição'.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos