Mercado abrirá em 3 h 38 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,95
    -0,71 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.804,50
    +5,70 (+0,32%)
     
  • BTC-USD

    59.485,68
    +770,03 (+1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.436,83
    -37,50 (-2,54%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.221,71
    -31,56 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    25.536,29
    -92,45 (-0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.820,09
    -278,15 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    15.628,75
    +41,50 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4511
    +0,0264 (+0,41%)
     

Barril do petróleo passa de US$ 80 pela primeira vez em três anos, e ações da Petrobras sobem

·6 minuto de leitura

Os preços do petróleo voltaram a subir no mercado internacional nesta terça-feira. A cotação do barril de petróleo tipo Brent, referência global, ultrapassou a marca de US$ 80, alcançando o maior valor em três anos.

O do tipo WTI, referência no mercado americano, também subiu. As altas ocorrem em um cenário de preocupações com o fornecimento global de energia e, no cenário interno, se refletem nos papéis da Petrobras.

Por volta de 10h40, no horário de Brasília, o contrato de novembro do petróleo tipo Brent subia 0,69%, cotado a US$ 80,08, o barril. Já o do tipo WTI para o mesmo mês avançava 1,05%, negociado a US$ 76,24, o barril.

Com isso, as ações ordinárias da Petrobras (PETR3, com direito a voto) subiam 1,82% e as preferenciais (PETR4, sem direito a voto), 1,88%. Os papéis ON da Petrorio (PRIO3) avançavam 1,60%.

O movimento vai na contramão do Ibovespa, que cedia 0,65%, aos 112.842 pontos. O índice é prejudicado pelo desempenho ruim da Vale e de siderúrgicas e pelo sinal negativo emitido nas bolsas americanas.

A alta do petróleo no exterior pode ter efeitos no preço dos combustíveis no mercado interno. Na segunda-feira, a Petrobras convocou uma coletiva para afirmar que não haveria mudança na política atual adotada, mesmo com eventuais pressões políticas.

O presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, e sua diretoria afirmaram que, no caso do preço do litro da gasolina, a participação da estatal não passa de R$ 2. Nos postos de gasolina, o litro do combustível já é vendido em patamar próximo a R$ 7.

Nas últimas semanas, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) aumentou a pressão para que a estatal torne mais clara a política de preços de combustíveis. Ele chegou a criticar as explicações do presidente da estatal dadas em uma comissão geral no plenário da Câmara.

O petróleo se recuperou das quedas vistas no ano passado em meio a restrições recordes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+) por causa da pandemia. Mas a recuperação econômica global impulsionou a demanda de uma forma superior à oferta disponível.

Segundo o Goldman Sachs, os preços podem chegar a US$ 90 este ano.

A OPEP + pode até mesmo precisar considerar o aumento da produção em mais do que seu plano atual de 400 mil barris por dia por mês, disse Chris Bake, chefe de originação do Vitol Group, o maior comerciante independente de petróleo do mundo, em um webinar.

Viu isso?

O salto para US $ 80 também ocorre em um contexto de pressão inflacionária à economia global e com os preços das commodities energéticas disparando. O gás natural, as licenças de carbono e a energia na Europa atingiram novos recordes na terça-feira, com poucos sinais de desaceleração do rali.

Os preços de referência europeus do gás para entrega no próximo mês subiram outros 10%, o que significa que os custos dobraram desde meados de agosto

— Não estamos olhando apenas para o Reino Unido e a Europa, mas também para uma potencial crise de energia global que se aproxima no inverno — disse Robert Rennie, chefe global de estratégia de mercado da Westpac.

Vazamento:

O dólar operava em alta ante o real no início desta terça-feira. A valorização acompanha o movimento da divisa visto no exterior em um cenário de alta dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano, os Treasuries.

Por volta de 10h35, a moeda americana era negociada a R$ 5,3943, alta de 0,30%.

Nos Estados Unidos, o presidente do Fed tem agenda no Senado. A expectativa é que ele possa dar novas sinalizações sobre o início da retirada de estímulos da economia, o chamado “tapering”.

Isso eleva os rendimentos dos títulos, já ques os investidores tendem a procurar ativos mais seguros, retirando seus dólares de outros mercados, valorizando a moeda americana.

Na semana passada, Powell destacou, em fala após a reunião de política monetária do banco, que o processo de retirada de estímulos à economia, o chamado "tapering", poderia ser iniciado em novembro.

Pix:

No cenário interno, o destaque vai para a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom).

No documento, o BC afirma que decidiu apertar a taxa básica de juros em um ritmo mais moderado, mesmo com as expectativas de inflação elevadas.

Mas o banco também destacou que deve aumentar o ciclo da taxa de juros a fim de cumprir as metas de inflação dos próximos dois anos.

“Simulações com trajetórias de elevação de juros que mantêm o ritmo atual de ajuste, mas consideram diferentes taxas terminais, sugerem que o atual ritmo de ajuste é suficiente para atingir patamar significativamente contracionista e garantir a convergência da inflação para a meta em 2022, mesmo considerando a assimetria no balanço de riscos”, destacou a ata da reunião da semana passada, que decidiu pelo aumento da Selic de 5,25% para 6,25% ao ano.

Para a Ativa Investimentos, a ata demonstra que o ciclo de açperto monetário deve ser longo o suficiente para que haja convergência das expectativas de inflação com o horzonte relevante.

"Reforçamos nossa perspectiva de que a Selic será conduzida até 9,25% na primeira reunião de 2022 , ao passo de 1 ponto percentual até lá", destacou o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, em comentário.

Em um dia negativo para a cotação do minério de ferro no exterior, as ordinárias da Vale (VALE3) cediam 1,36% e as da Siderúrgica Nacional (CSNA3), 1,17%.

As preferenciais da Usiminas (UISIM5) caíam 1,13%.

No setor financeiro, as preferenciais do Itaú (ITUB4) e do Bradesco (BBDC4) subiam 1,34% e 2,40%, respectivamente.

As bolsas americanas operavam em queda, sendo impactadas pelo avanço do rendimento dos Treasuries. Por volta de 11h35, no horário de Brasília, o índice Dow Jones cedia 1,26% e o S&P, 1,62%.

A Bolsa de Nadaq sofria as maiores perdas, com queda de 2,28%. O movimento é explicado pela forte presença do setor de tecnologia, que costuma ser o mais afetado pela possibilidade de aumento dos juros.

Na Europa, as bolsas operavam no negativo. Também por volta de 11h35, em Brasília, a Bolsa de Londres cedia 0,54% e a de Frankfurt, 2,01%. O índice CAC 40, da Bolsa de Paris, caía 2,17%%.

As bolsas asiáticas fecharam com direções contrárias. O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, teve baixa de 0,19%.

Em Hong Kong, a alta foi de 1,20%. As ações da gigante imobiliária chinesa Evergrande subiram 4%

Na China, houve avanço de 0,54%, apesar dos receios com relação a falta de energia, que já vem paralisando a atividade de algumas empresas no país.


Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos