Mercado abrirá em 1 h 6 min
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,30 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,36 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,88
    -2,40 (-3,15%)
     
  • OURO

    1.763,20
    +9,20 (+0,52%)
     
  • BTC-USD

    16.209,95
    -356,86 (-2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,77
    -2,89 (-0,75%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,93 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.455,36
    -31,31 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.679,00
    -103,75 (-0,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6239
    -0,0005 (-0,01%)
     

Barkin, do Fed, vê "sinais promissores" sobre a inflação, mas progresso não será imediato

Presidente do Fed de Richmond, Thomas Barkin

Por Howard Schneider

(Reuters) - Há "sinais promissores" que as pressões inflacionárias começaram a diminuir, embora possa levar tempo para isso ser visto nos dados, disse o presidente do Federal Reserve de Richmond, Thomas Barkin, nesta sexta-feira.

"A Covid parece estar ficando para o espelho retrovisor. Os choques de oferta estão diminuindo... Alguns grandes varejistas anunciaram que estão com excesso de estoque. A habitação parece estar se estabilizando. Os empregadores estão tendo mais sucesso nas contratações... Vimos uma ampla gama de commodities cair dos picos de precificação", disse Barkin à Câmara de Comércio Prince William, na Virgínia.

Os empresários "ainda veem seu elevado poder de precificação como temporário. Eles o veem como um episódio, não uma mudança de regime".

Isso, no entanto, ainda não se tornou aparente nos dados de inflação de alto nível, e Barkin disse que o Fed "persistirá" com aumentos da taxa de juros e "não declarará vitória prematuramente".

"A inflação deve cair. Mas não espero que sua queda seja imediata ou previsível", disse Barkin. "Passamos por vários choques... e choques significativos simplesmente levam tempo para arrefecer."

A medida de inflação preferida do Fed em agosto continuou subindo, a uma taxa anual de 6,2%, mais que o triplo da meta de 2% do banco central. Uma medida que exclui os preços voláteis de alimentos e energia, acelerou de 4,6% para 4,9%.

O Fed aprovou na semana passada seu terceiro aumento consecutivo de 75 pontos-base nos juros, levando sua taxa básica de quase zero em março para um intervalo entre 3 e 3,25%, numa das mudanças mais rápidas da política monetária em décadas.

(Reportagem de Howard Schneider)