Mercado abrirá em 4 h 5 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,80
    +0,05 (+0,08%)
     
  • OURO

    1.725,70
    -7,90 (-0,46%)
     
  • BTC-USD

    50.713,37
    +2.152,75 (+4,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.015,93
    +27,83 (+2,82%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.694,55
    +80,80 (+1,22%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.165,25
    +110,00 (+0,84%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Barclays antecipa projeção de alta da Selic e passa a ver inflação acima do centro da meta

·2 minuto de leitura
Homem faz compra em supermercado do Rio de Janeiro

SÃO PAULO (Reuters) - O Barclays antecipou expectativa para alta da Selic e agora vê a taxa básica de juros sendo elevada já em março, contra cenário anterior que contemplava maio, em meio à possibilidade de mais pressões inflacionárias diante de uma possível nova rodada de coronavoucher.

Em relatório, o economista-chefe para Brasil do Barclays, Roberto Secemski, também aumentou a projeção para o IPCA de 2021, que ficará em 3,9%, ante 3,6% estimado antes --portanto, acima da meta central perseguida pelo BC, de 3,75% para este ano.

"Sinais crescentes de que o apoio fiscal às famílias será reintroduzido em meio a novas pressões dos preços no atacado nos levam a revisar nossa projeção para o IPCA de 2021", disse Secemski, que vê a inflação alcançando um pico de 6,5% na leitura anual de maio --bem acima do teto da banda de tolerância da meta do BC, entre 2,25% e 5,25%.

"Pressão crescente nos preços de energia (combustíveis, devido à alta dos preços internacionais e ao câmbio mais fraco; eletricidade, pela deterioração das condições hidrológicas que afetam o sistema de "bandeiras tarifárias") recomenda adicional cautela à frente", completou.

Com a inflação mais alta e a consequente subida antecipada dos juros, Secemski disse que a magnitude do movimento do Copom --que será de 25 pontos-base ou 50 pontos-base, em sua visão-- está condicionado a mais detalhes de uma eventual extensão do auxílio emergencial e à evolução da inflação de curto prazo. Por ora, o economista projeta acréscimo de 25 pontos-base nos juros em março.

"Esperamos que a 'normalização parcial' do BCB, defendida por alguns membros do Copom na ata de janeiro, leve a Selic para 4,00% até setembro, quando seria feita uma pausa estratégica antes da retomada do ciclo para níveis neutros (6%) em 2022, consistente com a expectativa do banco para o fechamento do hiato do produto brasileiro no próximo ano", finalizou Secemski.

Nesta terça, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse entender a ansiedade do mercado com dados recentes de inflação, mas frisou que a política monetária precisa mirar o longo prazo e que muitos componentes da inflação são temporários.

Em 12 meses até janeiro, a inflação medida pelo IPCA acelerou a 4,56%, ante os 4,52% observados nos 12 meses imediatamente anteriores --período que corresponde ao ano cheio de 2020, quando a alta dos preços ficou acima do centro da meta buscando pelo BC (4%).

(Por José de Castro)