Mercado fechará em 2 h 57 min

Banqueiros suecos enfrentam crise de identidade em meio a planos de moeda digital do BC

Colm Fulton
·3 minuto de leitura
Representações de moedas digitais

Por Colm Fulton

ESTOCOLMO (Reuters) - Uma nova forma de pagamento está causando uma angústia existencial entre os banqueiros suecos que se preocupam que a chamada e-krona, um equivalente eletrônico da moeda sueca, possa custar-lhes sua base de depósitos.

A Suécia iniciou uma avaliação da viabilidade da e-krona em dezembro, após um programa piloto no banco central, tornando o país nórdico um teste decisivo para moedas digitais.

O Riksbank quer que a realização de pagamentos em e-krona seja "tão fácil quanto enviar um texto", mas banqueiros de Estocolmo dizem que isto mudará radicalmente a dinâmica do sistema bancário.

Como uma cédula ou moeda, o detentor de uma e-krona tem uma reivindicação direta sobre o banco central, contornando os bancos comerciais, nos quais a maior parte do dinheiro do Estado é mantido.

"Uma família racional guardaria seu dinheiro com o Riksbank", disse Masih Yazdi, vice-presidente financeiro do maior banco corporativo da Suécia, o SEB, acrescentando que um banco central oferece melhores taxas de juros e mais proteção.

Conforme as pessoas usam menos dinheiro físico e moedas alternativas como o bitcoin ganham terreno, muitos países ao redor do mundo estão procurando emitir suas próprias moedas digitais por meio de seus bancos centrais (CBDC).

As Bahamas lançaram a primeira CBDC do mundo em outubro e espera-se que a China tenha um iuan digital dentro de dois anos. No Brasil, o Banco Central também tem trabalhado em um projeto de moeda digital.

A Suécia, a economia menos dependente de dinheiro em espécie no mundo, está liderando o caminho entre os países ocidentais e seu governo deve chegar a uma decisão até novembro de 2022 sobre se deve ou não prosseguir com a e-krona.

ESTABILIDADE?

Se os suecos tirarem seu dinheiro das contas correntes e moverem para a e-krona, isso potencialmente privaria os bancos de financiamento e os deixaria dependentes dos mercados de atacado para obter liquidez.

Yazdi está preocupado com o fato de que isto poderia fazer com que o setor se endivide e não seja rentável, prejudicando a estabilidade financeira.

"Se você tem uma conta bancária mas pode - com um clique de um botão - mover seu dinheiro para o banco central ... isso poderia arriscar a estabilidade do sistema", disse Yazdi.

A vice-presidente do Riksbank, Cecilia Skingsley, descartou tais preocupações, dizendo que as pessoas já podem sair do sistema bancário comprando notas do tesouro.

"Já temos que enfrentar os riscos de que haja uma saída cibernética do sistema bancário." Não creio que uma CBDC mude isso fundamentalmente para uma situação pior", disse Skingsley à Reuters em novembro.

Rickard Eriksson, um consultor da Associação Sueca de Bancos, está preocupado que o Riksbank não tenha deixado claro o que fará com o dinheiro que coleta.

Ele poderia segurá-lo ou emprestá-lo aos bancos para suprir falta de recursos. Entretanto, isto significaria que a disponibilidade de hipotecas ou empréstimos para empresas dependeria do apetite do Riksbank pelo risco de crédito.

"Não creio que o Riksbank tenha realmente pensado sobre isto ou tenha encontrado boas respostas", disse Eriksson.

Questionado, o Riksbank não comentou o assunto.