Mercado abrirá em 50 mins
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,74
    +0,10 (+0,14%)
     
  • OURO

    1.782,20
    +13,20 (+0,75%)
     
  • BTC-USD

    32.499,33
    -1.074,29 (-3,20%)
     
  • CMC Crypto 200

    795,22
    -144,73 (-15,40%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.019,56
    +2,09 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.071,00
    +36,00 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0293
    -0,0068 (-0,11%)
     

Banqueiros negros pensam sobre como sustentar mudanças pós-Floyd

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O setor financeiro pode apontar um progresso tangível para os trabalhadores negros desde os protestos do Black Lives Matter no ano passado. Mas a mudança não está chegando rápido o suficiente, disseram executivos durante a reportagem especial “Money and Equality” da Bloomberg Television, na sexta-feira.

“As gerações que estão entrando no mercado de trabalho hoje são muito menos tolerantes e não aceitam o ‘vai levar tempo’. Que tal agora? E se não, por que não?”, disse Edith Cooper, executiva de longa data no Goldman Sachs Group e que deixou a empresa em 2017. “Esse é o sentimento que todos nós estamos tendo. Estou animada com isso. Significa que simplesmente não seremos pacientes.”

Um ano atrás, havia apenas um executivo negro entre mais de 80 nas posições mais altas dos seis grandes bancos dos Estados Unidos. Hoje, são nove. Muitos dos maiores bancos também implementaram metas para a contratação de trabalhadores sub-representados e se comprometeram a aumentar o recrutamento em faculdades e universidades historicamente negras.

Ainda assim, estatísticas do mercado de trabalho mostram que os negros constituem uma pequena fração do setor bancário. E enquanto em 2020 os seis maiores bancos dos EUA reservaram quase US$ 15 bilhões para hipotecas, empresários e bancos de propriedade de negros em todo o país, essa é uma pequena fração de seus US$ 4 trilhões em empréstimos pendentes.

Aqui está o que alguns dos banqueiros negros mais antigos do setor disseram sobre como o progresso pode ser sustentado.

‘Não vá para a solução fácil’

No ano passado, Kristy Fercho tornou-se a primeira mulher negra a liderar o negócio de empréstimos imobiliários da Wells Fargo & Co. Em um banco que há muito tempo tem uma cultura de promoção interna, ela está pressionando por mais contratações externas - mesmo que o processo demore mais.

Ela descreveu um recente processo de contratação em que um de seus subordinados diretos queria contratar um homem branco depois de apenas três semanas de busca. Ela disse a ele para continuar procurando. Depois de mais de um mês, eles escolheram uma mulher hispânica para o posto. “Como resultado, tenho uma candidata mais qualificada”, disse Fercho, destacando que ela passa também a elevar a diversidade da casa. “Não opte pela solução fácil, é isso que está à sua frente, mas trabalhe mais para encontrar o melhor talento.”

‘Definitivamente não é suficiente’

Depois de mais de três décadas em Wall Street, Carla Harris, vice-presidente de gestão de patrimônio global e consultora sênior de clientes do Morgan Stanley, deseja que seu setor faça mais. Quanto aos compromissos assumidos até agora, “definitivamente não é suficiente”, disse ela.

Harris teme que os esforços diminuam quando surgirem dificuldades econômicas. “No minuto em que entramos em um ambiente de mercado baixista, ele não vai embora, mas a intensidade vai de 10 para dois”, disse ela. “Você tem reestruturação, você tem reduções em vigor e pequenas populações são, por definição, desproporcionalmente prejudicadas.”

A questão que ainda assola Wall Street e a América corporativa, segundo Harris, é: “Como podemos implementar algo que será sustentável?”

‘Lado Errado do Negócio’

Harold Butler, que supervisiona os serviços bancários com o governo dos EUA no Citigroup, disse que a ótica está gerando algumas mudanças, e isso não é necessariamente ruim.

“Há um velho ditado que Wall Street costuma usar: você não quer estar do lado errado desse negócio”, disse Butler. “Em grande parte, as empresas têm dito: ‘Quero fazer parte - e ter certeza de que todos veem minha empresa como participativa e fazendo a coisa certa.’ Porque isso é o que precisa ser feito.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos