Mercado fechado
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,45 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,09 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,22
    -0,28 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.783,90
    +21,20 (+1,20%)
     
  • BTC-USD

    49.340,24
    +2.390,22 (+5,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,14
    -74,62 (-5,18%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,71 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.122,32
    -6,89 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.687,50
    -301,00 (-1,88%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3953
    +0,0151 (+0,24%)
     

Banqueiros centrais não devem confiar na palavra do mercado sobre inflação

·2 min de leitura

Por Francesco Canepa e Balazs Koranyi

FRANKFURT (Reuters) - Os investidores estão precificando as maiores taxas de inflação em décadas para os Estados Unidos e a zona do euro, mas os banqueiros centrais podem ser mais prudentes ao adotar algum ceticismo diante das falhas do indicador.

Um indicador de inflação conhecido como swap de inflação a termo de cinco e cinco anos atingiu 2% na zona do euro e seu par norte-americano está até acima desse patamar, que é o objetivo do Federal Reserve (Fed) e do Banco Central Europeu (BCE).

Então, os dois bancos centrais deveriam apenas declarar vitória e começar a aumentar os juros?

Não tão rápido.

Ambos os indicadores, que medem aproximadamente quanta compensação os investidores exigem para assumir o risco de inflação em um período de dez anos, são marcados por falhas.

Para começar, eles têm um histórico ruim de previsão da inflação, enquanto têm uma correlação estranha com a oscilação dos preços do petróleo.

Isso supera a lógica econômica, uma vez que uma medida é o preço do barril de petróleo a ser entregue no curto prazo, enquanto outra é uma taxa de variação de longo prazo nos preços gerais.

A correlação pode ter a ver com o funcionamento interno dos mercados financeiros, em que alguns investidores usam produtos indexados à inflação para proteger outras operações.

"Os indicadores de cinco e cinco anos seriam um bom preditor da inflação realizada no futuro? Acho que não, porque se correlacionam com os futuros do petróleo, que são péssimos preditores", disse Ilia Bouchouev, sócio-gerente da Pentathlon Investments e docente na Universidade de Nova York.

O BCE há muito está ciente dessas e de outras limitações.

Com o Federal Reserve com posse de quase um quarto do mercado de títulos protegidos da inflação (Tips), alguns investidores sentem que os indicadores de cinco e cinco anos estão perdendo sua importância como indicador.

Previsões tradicionais feitas por economistas de carne e osso também têm recebido menções de autoridades.

De acordo com pesquisa da Reuters, a inflação da zona do euro deve chegar a 1,8% no próximo ano, 1,6% em 2023 e 1,6% em 2024 --ainda sem atingir a condição para elevação das taxas de juros do BCE, que é o crescimento dos preços estável em 2%.

O Fed, por sua vez, chegou a criar um Índice de Expectativas Comuns para Inflação que mescla pesquisas e preços de mercado.

No entanto, tanto a presidente do BCE, Christine Lagarde, quanto o chair do Fed, Jerome Powell, citam regularmente as expectativas baseadas no mercado, indicando sua contínua relevância.

"No final, todos os indicadores têm limitações, então vamos com a preponderância de evidências", disse Fritzi Koehler-Geib, economista-chefe do banco estatal alemão KfW.

(Por Francesco Canepa)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos