Mercado fechará em 6 h 39 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,40
    +2,14 (+3,23%)
     
  • OURO

    1.780,90
    -3,00 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    48.509,50
    -940,49 (-1,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,99
    -205,77 (-14,27%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.193,40
    +71,08 (+1,00%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.666,00
    -51,75 (-0,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4052
    +0,0099 (+0,15%)
     

Bannon deve ser acusado de obstruir investigação de ataque ao Capitólio

·2 min de leitura

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O estrategista de extrema-direita Steve Bannon, guru do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e ídolo dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Brasil, notadamente o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), deve ser acusado de desacato criminal pelo Comitê dos Representantes, responsável por investigar os ataques em janeiro contra o Capitólio, a sede do Congresso norte-americano.

Bannon se recusou a comparecer à audiência que estava marcada para a última quinta-feira (14). Na ocasião, ele alegou estar protegido por privilégios executivos, mesmo sem ocupar qualquer cargo dentro da Casa Branca, atualmente gerida pelo democrata Joe Biden, de quem ele é opositor.

Na quarta-feira passada (13), os advogados do estrategista enviaram uma carta ao Comitê em que afirmava que ele não iria prestar qualquer testemunho ou fornecer documentos enquanto o grupo não chegasse a um acordo com Trump. Na ocasião, a defesa apontou que o assunto diz respeito ao Comitê e o conselho do ex-presidente, e que seu cliente "não está convocado a responder neste momento".

O deputado democrata e presidente do Comitê, Bennie Thompson, acusa Steve Bannon de se "esconder atrás de declarações insuficientes e vagas do ex-presidente Donald Trump".

Após a recusa do guru, a imprensa norte-americana avalia que a punição a ser aplicada a ele servirá como um exemplo de como o Congresso do país responderá a esse tipo de situação e também até que ponto eles pretendem ir para punir os culpados pela invasão ocorrida em 6 de janeiro.

O Comitê da Câmara averigua se há algum vínculo entre Trump e Bannon nos fatos que levaram até os ataques que tentavam impedir a confirmação da vitória de Biden sobre o republicano. Em seu podcast "War room", o guru da extrema-direita admitiu ter aconselhado Trump a "eliminar o governo Biden ainda no berço, por sua incompetência e ilegitimidade".

Após votação do Comitê, a acusação será encaminhada ao plenário da Câmara, formado por maioria democrata, e deverá ser confirmada. Se culpado, Bannon pode ter que pagar multa, além de enfrentar 12 meses de prisão. Em seguida, o processo segue para o Departamento de Justiça dos EUA, e não tem prazo para ser concluído.

Os democratas vêm nesse movimento de Steve Bannon mais uma de suas artimanhas para atrasar as investigações. Ele chegou a ser preso em agosto do ano passado acusado de desviar dinheiro de uma campanha para arrecadar fundos para a construção de um muro na fronteira com o México, uma das principais bandeiras que elegeu Donald Trump em 2016. Em janeiro, pouco antes do fim de seu mandato, o republicano concedeu perdão presidencial ao guru.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos