Mercado abrirá em 9 h 49 min
  • BOVESPA

    121.632,92
    -168,08 (-0,14%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.134,93
    -60,47 (-0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    69,17
    +0,08 (+0,12%)
     
  • OURO

    1.803,00
    -5,90 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    40.499,69
    +1.004,50 (+2,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    997,60
    +21,71 (+2,22%)
     
  • S&P500

    4.429,10
    +26,44 (+0,60%)
     
  • DOW JONES

    35.064,25
    +271,55 (+0,78%)
     
  • FTSE

    7.120,43
    -3,43 (-0,05%)
     
  • HANG SENG

    26.081,34
    -123,35 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    27.744,24
    +16,14 (+0,06%)
     
  • NASDAQ

    15.161,75
    -6,00 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2039
    -0,0043 (-0,07%)
     

Bank of America vê risco crescente de La Niña neste semestre

·1 minuto de leitura

(Reuters) - Analistas do Bank of America veem um risco crescente de La Niña neste segundo semestre, o que deve afetar principalmente companhias de proteínas por causa dos potenciais reflexos do fenômeno meteorológico nos preços dos grãos.

"As probabilidades aumentam a cada mês e o cenário base já indica mais de 80% de chance de o fenômeno ocorrer", afirmaram em relatório a clientes nesta segunda-feira.

Eles observaram que o La Niña anterior, em 2020, atrasou as chuvas, retardando a safra e causando queda em sua produtividade, principalmente no caso do milho.

"Nós vemos as empresas de proteína sendo as mais afetadas pela redução potencial da safra brasileira de soja e milho, pois isso pode significar custos de grãos ainda mais altos", afirmaram no documento.

No caso de players dos EUA, a equipe do BofA avalia que eles podem ser afetados também em razão do ambiente de consumo potencialmente menos favorável.

Os analistas reiteraram compra para JBS, enquanto adotam uma visão neutra para BRF, Marfrig e Minerva. Em paralelo, recomendam compra de SLC Agricola e Adecoagro.

Entre os papéis sob sua cobertura, BRF é considerado o player mais exposto.

"Empresas agrícolas como SLC e Adecoagro podem se beneficiar dos preços fortes, mas os rendimentos podem permanecer sob pressão. No lado das proteínas, a BRF é a mais exposta, visto que quase toda a sua produção é integrada e ocorre no Brasil."

(Por Paula Arend Laier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos