Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.275,20
    -63,54 (-0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Bank of America turbina estimativa de crescimento do PIB do Brasil em 2022 para 3,25%

SÃO PAULO (Reuters) - O Bank of America elevou sua projeção para o crescimento da atividade econômica brasileira em 2022 para 3,25% nesta quinta-feira, contra estimativa anterior de 2,5% --taxa que já era bem mais otimista que boa parte dos prognósticos de mercado.

A forte revisão para cima veio após o IBGE informar mais cedo que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil registrou crescimento de 1,2% no segundo trimestre deste ano em relação ao primeiro, resultado acima do esperado e impulsionado pela recuperação do setor de serviços e aumento do consumo das famílias e dos investimentos. O dado do primeiro trimestre foi revisado para alta de 1,1%, ante 1,0% informado inicialmente.

"A atividade iniciou 2022 em ritmo forte, apesar do impacto negativo inicial da onda Ômicron (da Covid), e manteve seu desempenho ao longo do segundo trimestre, com leituras ainda mais impressionantes", disse em relatório David Beker, chefe de economia no Brasil e de estratégia para América Latina do BofA.

"Isso aconteceu antes mesmo da redução do ICMS, do aumento do Auxílio Brasil e da redução do preço dos combustíveis, que devem ter grande influência positiva nos resultados do próximo semestre."

Ainda assim, ele citou uma desaceleração econômica global e efeitos defasados do ciclo de aperto monetário promovido pelo Banco Central do Brasil como riscos negativos para a atividade na segunda metade deste ano.

(Por Luana Maria Benedito)