Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    -0,14 (-0,19%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    41.406,09
    +55,68 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,27 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,81 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    +10,75 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Bandeira tarifária vai subir por maior custo com térmicas, diz diretor da Aneel

·2 minuto de leitura
Linhas de transmissão de energia em meio a cafezais em Santo Antônio do Jardim (SP)

SÃO PAULO (Reuters) - O valor cobrado na bandeira tarifária patamar 2 subirá para refletir o maior custo com a geração termelétrica, após o país registrar uma severa seca que afeta as hidrelétricas, disse nesta terça-feira o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone.

"Hoje temos custo 6,24 reais a cada 100 kwh consumidos. E a gente está fazendo neste momento cálculos, e certamente digo que será bem maior do que os 6,24 reais", afirmou ele, sobre o valor que está sendo cobrado atualmente pela bandeira vermelha patamar 2, que aliás está em vigor em junho.

O novo valor está sendo calculado e deverá ser definido em breve, sinalizou.

O custo da eletricidade tem sido um dos fatores a impulsionar a inflação. No mês de maio, houve alta de 5,37% no item energia elétrica do IPCA, com a bandeira tarifária vermelha patamar 1.

O diretor-geral da Aneel ainda negou, em audiência na Câmara, que a agência pretenda criar um novo patamar mais caro para as bandeiras tarifárias, mas explicou que, diante da situação hidrelétrica, o valor desse instrumento que sinaliza para o consumidor o custo de geração terá de subir.

"Tem esta especulação que será criado um outro patamar (de bandeira). Digo que não existe esta discussão, não existe esta discussão no governo e na Agência Nacional", destacou.

Atualmente, a bandeira verde não tem custo adicional ao consumidor; na amarela é cobrado 1,343 real a cada 100 kWh consumidos; vermelha patamar 1, 4,169 reais; e na vermelha patamar 2, 6,243 reais a cada 100 kWh consumidos.

"O que acontece é que todo ano, após o período úmido encerrado em abril, a Aneel discute qual o valor de cada patamar...", destacou, lembrando que este ano, como é sabido, a crise hídrica exige o acionamento de térmicas mais caras.

"Temos condições de atender o consumidor, entretanto, a energia está mais cara, pelo fato de ser atendida pelas termelétricas."

Para atender ao aumento da geração térmica, a Petrobras está maximizando a produção de gás natural e elevando as importações, do energético da Bolívia ou por meio de cargas de GNL, disse a estatal à Reuters nesta terça-feira.

Já o diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Luiz Carlos Ciocchi, disse na mesma audiência em que participou Pepitone que mudanças nas vazões dos reservatórios de hidrelétricas e o uso de energia termelétrica deverão permitir que o Brasil passe pela crise hidrelétrica de forma "segura", afastando riscos de abastecimento de eletricidade.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos