Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,42
    -0,24 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.784,90
    +2,00 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    31.767,60
    -4.001,71 (-11,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    762,93
    -87,41 (-10,28%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.133,50
    +3,50 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9821
    -0,0540 (-0,89%)
     

Bancos projetam que no ano até 60 IPOs podem girar R$ 100 bi

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 6/9/2011 - Fachada da agencia do banco Santander, dentro do shopping Tatuapé. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 6/9/2011 - Fachada da agencia do banco Santander, dentro do shopping Tatuapé. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os IPOs (ofertas iniciais de ações, na sigla em inglês) podem somar R$ 100 bilhões neste ano, com 60 operações, e encostar no recorde de 2007, de acordo com previsão do Santander. Naquele ano, foram 64 ofertas, que somaram R$ 55,6 bilhões -o equivalente hoje a R$ 116,7 bilhões corrigidos pelo IPCA.

O Itaú BBA, por sua vez, espera de 40 a 60 IPOs, que poderiam captar entre R$ 60 bilhões e R$ 90 bilhões.

Segundo analistas, junho abre uma importante janela para ofertas, que se estende até o início de agosto. Nela, empresas visam aproveitar os bons dados econômicos divulgados recentemente, como o PIB do começo de 2021 melhor do que o esperado, além da queda do dólar, hoje a R$ 5,04, e do recorde nominal (sem contar a inflação) do Ibovespa, a 130 mil pontos.

Além disso, companhias que estreiam nos próximos meses utilizarão no prospecto para investidores dados do primeiro trimestre, período no qual a maior parte dos balanços superou as expectativas.

"A chance de os IPOs hoje serem bem-sucedidos é maior do que há uma semana. O apetite do investidor é maior. E as empresas devem aproveitar essa abertura de janela, que pode se fechar rapidamente", diz André Rosenblit, diretor da Santander Corretora.

Há ainda uma segunda janela entre setembro e outubro, utilizando os resultados do segundo trimestre, e uma última entre o fim de novembro e a primeira quinzena de dezembro, com números do terceiro trimestre.

Para as empresas que buscam ampliar o capital, é importante se listar enquanto os ventos são favoráveis. À medida que os juros sobem -a previsão do mercado é de Selic a 5,75% ao fim do ano- e o Brasil se aproxima de 2022, o cenário fica mais propenso a aversão a risco, o que pode prejudicar as estreias, levando-as a captar menos que o esperado.

"O ano que vem será mais volátil, em razão da eleição presidencial. Então, as companhias em geral devem e deveriam acelerar esse processo [de listagem em Bolsa]", afirma Rafael Maisonnave, gestor da Tarpon Capital.

Fora que, por enquanto, com a Selic a 3,5% ao ano, investidores institucionais (fundos, empresas e bancos) e pessoas físicas alocam mais recursos que o usual na renda variável, o que beneficia o mercado de ações como um todo.

"O que vem beneficiando o mercado de capitais há quase dois anos é a taxa de juros, que se tornou negativa em 2020 [em relação à inflação] e ainda é muito baixa, apesar dos ajustes recentes e dos prováveis ajustes que ocorrerão até o fim do ano", diz Roderick Greenlees, chefe global de banco de investimento do Itaú BBA.

"O Brasil está em um momento muito positivo, com o investidor indo mais para o mercado dados o juro baixo, a educação financeira e as plataformas mais acessíveis, que reduzem o custo e aumentam a facilidade", afirma Rosenblit, do Santander.

Segundo dados da CVM (Comissão de Valores Mobiliários), há 34 empresas na fila de entrada da Bolsa.

"É possível termos de dois a três IPOs por semana. São 6 milhões de empresas no país, e apenas cerca de 400 estão na Bolsa. O Brasil tem tudo para dobrar ou triplicar o número de companhias listadas, e percebemos que, cada vez mais, empresas menores entram no mercado de ações", afirma Rosenblit.

Segundo o executivo, empresas com o fluxo de caixa acima de R$ 100 milhões já conseguem acessar o mercado de capitais via listagem em Bolsa.

Dada a baixa representatividade do mercado acionário, empresas de tecnologia e saúde, que têm poucos pares na Bolsa de Valores estão entre as ofertas mais aguardadas, assim como infraestrutura e agronegócio, que também se beneficiam do atual ciclo econômico, de alta no preço das commodities e juros baixos.

*

AS OFERTAS MAIS ESPERADAS EM 2021

Raízen

Captação esperada: R$ 10 bilhões a R$ 13 bilhões

Quando IPO foi protocolado: quinta (3)

InterCement

Captação esperada: R$ 5 bilhões a R$ 10 bilhões

Quando IPO foi protocolado: 18 de maio

CBA

Captação esperada: R$ 2 bilhões a R$ 3 bilhões

Quando IPO foi protocolado: 17 de maio

CSN Cimentos

Captação esperada: R$ 2 bilhões a 3 bilhões

Quando IPO foi protocolado: 17 de maio

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos